Tempo
|
A+ / A-

Parpública não foi ouvida antes de renacionalização da TAP, diz ex-presidente

16 mai, 2023 - 16:52 • Manuela Pires , com redação

Pedro Ferreira Pinto elogiou, por outro lado, a operação de privatização da TAP em 2015, onde esteve envolvido.

A+ / A-

O Governo de António Costa não pediu à Parpública qualquer análise ou avaliação antes de decidir nacionalizar a TAP, afirma Pedro Ferreira Pinto, antigo presidente da sociedade gestora de participações sociais do Estado Português.

Pedro Ferreira Pinto falava esta terça-feira na comissão parlamentar de inquérito à gestão da TAP.

Questionado pelo deputado Carlos Guimarães Pinto, da Iniciativa Liberal, o ex-presidente Parpública disse que a sociedade não foi chamada a avaliar a renacionalização da TAP.

“Que eu saiba, na Parpública não foi. Entendo que essa análise é aconselhável ser feita antes da decisão e, porventura, obrigatória antes da assinatura.”

A decisão que levou a Parpública a readquirir uma participação maioritária na TAP não foi feita pela Parpública? “Para ser franco, eu nem sei se foi a Parpública que comprou a TAP”, declarou Pedro Ferreira Pinto.

Elogios à operação de privatização da TAP

Questionado pelo Partido Socialista, garantiu que a capitalização da TAP através dos fundos Airbus foi uma operação que não levanta quaisquer problemas e que serviu para salvar a empresa, evitar despedimentos e beneficiou o Estado e a Parpública.

O antigo presidente da Parpública foi ainda questionado pelo PSD sobre a carta que o grupo parlamentar do PS enviou à empresa, na altura em que foi feita a privatização. Pedro Ferreira Pinto diz que não viu na carta qualquer ameaça, apenas a expressão de uma vontade.

Por outro lado, o ex-presidente da Parpública elogiou a operação de privatização da TAP em 2015, onde esteve envolvido.

“Pode não se estar de acordo com os termos, e isso democraticamente é aceitável, mas tecnicamente é uma operação que está muitíssimo bem feita, nada foi feito em cima do joelho. Tivemos dúvidas também, mas foi um trabalho altamente escrutinado. Ficou muitíssimo bem ilustrado e altamente documentado. Penso que está ao acesso de todos, de escondido tem tem zero”, afirmou Pedro Ferreira Pinto.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+