Tempo
|
A+ / A-

Obras no metro

Governo admite derrapagem de 500 milhões de euros nas obras do Metro de Lisboa e do Porto

13 mai, 2023 - 22:30 • Lusa

A derrapagem deve-se a dois fatores que estão "muito bem identificados": "custos associados ao arranque da obra, ainda antes do arranque da obra quando se tem de introduzir medidas mitigadoras, e custos de revisão de preços que resultam desta inflação excecional".

A+ / A-

O secretário de Estado da Mobilidade Urbana, Jorge Delgado, admite que as obras de expansão do metro de Lisboa poderão ter uma derrapagem superior a 500 milhões de euros, mas assegura que os custos adicionais "vão ser cobertos".

"Neste conjunto de mil e 700 milhões de euros, nós estamos a falar de um número final que se aproximará dos 500, 600 milhões de euros de custos adicionais", refere Jorge Delgado em entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios.

A derrapagem, salienta o governante, deve-se a dois fatores que estão "muito bem identificados": "custos associados ao arranque da obra, ainda antes do arranque da obra quando se tem de introduzir medidas mitigadoras, e custos de revisão de preços que resultam desta inflação excecional".

Questionado se esse valor pode ainda aumentar, o secretário de Estado admite que sim, lembrando que, por norma, o valor final de qualquer obra pública costuma ser superior ao inicialmente previsto.

"Pode, pode aumentar naturalmente, como toda a obra pública que é feita que tem uma forma de revisão de preço, o valor final é sempre por norma ligeiramente superior", admite.

No final de fevereiro, em declarações aos jornalistas durante uma visita às obras do túnel que ligará as futuras estações da Estrela e de Santos do Metropolitano de Lisboa, o ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o alargamento da rede em 18 quilómetros, entre a extensão da linha Amarela, a extensão da linha Vermelha e a nova linha Violeta, que vai ligar Loures e Odivelas, representará um investimento de mais de mil milhões de euros.

Na entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o secretário de Estado da Mobilidade Urbana assegura que os custos adicionais "vão ser cobertos", nomeadamente através do Plano de Recuperação e Resiliência e da sua reprogramação ou, em alternativa, pelo Orçamento do Estado ou pelo Fundo Ambiental. .

Jorge Delgado adianta ainda que a comparticipação do Estado à compra de carros elétricos poderá acabar, defendendo uma evolução para um incentivo "mais universal" ao nível do custo do carregamento, para que "ainda possa baixar mais".

"Mantivemos o incentivo nos últimos dois anos e o número de venda de carros elétricos disparou. A opção de compra não está completamente ligada ao incentivo", refere, reconhecendo, contudo, que a comparticipação teve um "papel fundamental no início do processo", já que ajudava à tomada de decisão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+