Tempo
|
A+ / A-

TAP. Intervenção do Estado não foi "nenhuma opção ideológica", defende Miguel Frasquilho

04 mai, 2023 - 18:47 • Lusa

O antigo "chairman" deixou ainda uma palavra de agradecimento ao esforço e dedicação dos trabalhadores da TAP e disse depositar "a maior confiança" na nova equipa de gestão, liderada por Luís Rodrigues.

A+ / A-

A nacionalização da TAP, em 2020, não se tratou de uma opção ideológica, mas sim de uma emergência para salvar a companhia aérea. É esta a convicção que Miguel Frasquilho defendeu esta quinta-feira assumiu o cargo de presidente do conselho de administração da TAP em junho de 2017, por nomeação do estado.

"Nunca esquecerei a opção tomada pelo Governo em representação do Estado em salvar a TAP. Não tenhamos ilusões, se o objetivo era salvar a TAP, não havia outra alternativa. Não se tratou de nenhuma opção ideológica, tratou-se antes de uma premente necessidade, uma emergência, que permitiu salvar milhares de postos de trabalho", defendeu o antigo presidente do Conselho de Administração do grupo TAP.

Miguel Frasquilho disse ainda que, quando a companhia aérea entrou em dificuldades devido à pandemia, a "primeira opção foi recorrer ao auxílio dos acionistas privados".

"Infelizmente, quando confrontados com a necessidade premente de recursos que permitissem a viabilidade da TAP, a resposta dos acionistas privados foi negativa", realçou.

O antigo "chairman" deixou ainda uma palavra de agradecimento ao esforço e dedicação dos trabalhadores da TAP e disse depositar "a maior confiança" na nova equipa de gestão, liderada por Luís Rodrigues, que, aliada aos resultados positivos alcançados em 2022, que anteciparam em três anos o cenário previsto para 2025, "permitem acalentar a esperança de um futuro melhor" para a companhia aérea.

Economista de formação, Miguel Frasquilho foi também deputado na Assembleia da República, pelo PSD, e secretário de Estado do Tesouro e Finanças entre 2002 e 2003, e assumiu o cargo de presidente do Conselho de Administração da TAP, em junho de 2017, por nomeação do Estado, detentor de 50% do capital.

Depois da reversão da privatização feita, em 2015, na reta final do governo do PSD/CDS-PP liderado por Pedro Passos Coelho, o Conselho de Administração da TAP ficou composto por seis elementos indicados pelo Estado e outros seis escolhidos pelo consórcio Atlantic Gateway, dos empresários Humberto Pedrosa e David Neeleman, com uma participação de 45% (os restantes 5% pertenciam aos trabalhadores), sendo que o presidente nomeado pelo Estado tinha voto de qualidade.

Na carta de despedida aos trabalhadores, em junho de 2021, Miguel Frasquilho afirmou sair com a "tranquilidade do dever cumprido", explicando que a saída resultava da falta de conjugação de vontades para continuar entre o próprio e o Estado.

Na mesma carta, o antigo gestor lembrou os dois primeiros anos e meio na liderança do grupo TAP, em que a "convivência com os acionistas privados e os seus representantes foi sempre muito desafiante e enriquecedora".

No último ano e meio de mandato, marcado pela pandemia, Frasquilho sublinhou que as "prioridades foram as de salvar a TAP, o maior número possível de postos de trabalho e, através do duríssimo, mas indispensável Plano de Reestruturação entregue em Bruxelas, procurar garantir o futuro, a sustentabilidade e a rentabilidade da TAP".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+