Tempo
|
A+ / A-

IL diz que Marcelo "amarrou avaliação do seu mandato" à governação de Costa

04 mai, 2023 - 21:19 • Lusa

O líder liberal afirmou que o chefe de Estado português fez uma avaliação da governação de Costa "absolutamente arrasadora", tendo colocado em causa "a credibilidade, a autoridade, a respeitabilidade da solução governativa".

A+ / A-

A Iniciativa Liberal defendeu hoje que o Presidente da República "amarrou a avaliação do seu mandato" aos próximos meses de governação do primeiro-ministro, considerando que os dois são agora corresponsáveis pelo que acontecer "nos próximos tempos".

"O primeiro-ministro amarrou o seu destino político a João Galamba, o Presidente da República amarrou a avaliação deste seu mandato aos próximos tempos de governação de António Costa", defendeu o presidente da IL, Rui Rocha, no parlamento, em reação à comunicação ao país de Marcelo Rebelo de Sousa.

A partir de agora, continuou, "são ambos -- Presidente da República e primeiro-ministro - corresponsáveis por tudo o que vier a acontecer nos próximos tempos do ponto de vista da solução governativa". .

O líder liberal afirmou que o chefe de Estado português fez uma avaliação da governação de Costa "absolutamente arrasadora", tendo colocado em causa "a credibilidade, a autoridade, a respeitabilidade da solução governativa".

No entanto, sinalizou, "a visão de futuro que o senhor Presidente da República apresenta é completamente contraditória com o diagnóstico e avaliação arrasadora que fez do Governo", discordando da decisão de Marcelo e considerando que se devia "devolver aos portugueses a possibilidade de decidirem o seu futuro" e que "em democracia há sempre alternativas".

O Presidente da República prometeu hoje que estará "ainda mais atento e mais interveniente no dia a dia" para prevenir fatores de conflito que deteriorem as instituições e "evitar o recurso a poderes de exercício excecional".

Numa comunicação ao país a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que não deseja usar os poderes que a Constituição lhe confere para interromper a governação, mas frisou que não abdica deles.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+