Tempo
|
A+ / A-

Aprovada regulamentação da Agenda do Trabalho Digno

04 mai, 2023 - 14:15 • Daniela Espírito Santo

Conselho de ministros esteve reunido em Braga.

A+ / A-
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa
Reunião do Conselho de Ministros. Foto: Estela Silva/Lusa

O Conselho de Ministros aprovou, esta quinta-feira, a regulamentação da Agenda do Trabalho Digno e um "conjunto de investimentos dirigidos ao distrito de Braga", especialmente "na área da Justiça".

A informação foi confirmada pela ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, após terminar o conselho de ministro esta quinta-feira, em Braga.

Quanto aos investimentos para o distrito, a ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, aproveitou este quarto "Governo + Próximo" para adiantar que foram aprovados investimentos na ordem dos 25 milhões de euros para melhorar o "edificado" nos tribunais e Polícia Judiciária.

Foram aprovadas obras no Palácio da Justiça sede de comarca de Braga, a reabilitação do de Fafe, bem como um novo edifício em Guimarães, num total de investimento nos tribunais que ascende aos 19 milhões de euros. O remanescente será aplicado no edificado afeto à investigação criminal, nomeadamente no dique de Braga, para adaptação de um edifício já existente.

[notícia atualizada às 14h58 de 4 de maio de 2023]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+