Tempo
|
A+ / A-

TAP

"É lamentável que o líder do PSD faça política com base em títulos de jornal", diz João Torres

30 abr, 2023 - 21:48 • Lusa

Para João Torres, "seria recomendável que o líder do PSD lesse a entrevista [de Carlos César] na sua plenitude e não apenas ficasse pelos títulos".

A+ / A-

O secretário-geral adjunto do PS acusou este domingo o líder do PSD de fazer política "unicamente lendo os títulos das notícias" para "não ter de comentar os bons resultados da governação", considerando que o primeiro-ministro fala quando entende oportuno.

"Eu penso que a declaração do líder do PSD acompanha o que tem sido o seu estilo na liderança daquele que é hoje o maior partido da oposição. Em circunstância alguma, desde que assumiu a liderança do PSD, o Dr. Luís Montenegro foi capaz ou esteve à altura de gerar uma alternativa, de apresentar ideias, porque o PSD transformou-se hoje num vazio de conteúdo", criticou, em declarações à agência Lusa, João Torres.

O líder do PSD, Luís Montenegro, considerou hoje que o Governo acabou e que foi o próprio presidente do PS, Carlos César, que o admitiu quando pediu um "algum refrescamento" no executivo socialista.

"É lamentável que o líder do PSD faça política com base em títulos de jornal", condenou, considerando que Luís Montenegro utilizou de "forma truncada" as declarações do presidente do PS, Carlos César.

Para João Torres, "seria recomendável que o líder do PSD lesse a entrevista na sua plenitude e não apenas ficasse pelos títulos que originou essa mesma entrevista".

"O episódio e a ocorrência que teve lugar foi infeliz e deve naturalmente ser lamentada. Agora, o senhor primeiro-ministro deve usar da palavra quando entende que é oportuno fazê-lo e não deve fazê-lo a cada dia, hora, minuto ou segundo, a reboque da comissão parlamentar de inquérito à TAP", criticou.

Na opinião do dirigente socialista, "o primeiro-ministro tem de salvaguardar e de preservar um sentido de Estado, que manifestamente o líder da oposição não tem demonstrado desde que assumiu a liderança do PSD".

"E, como tal, há que respeitar as instituições e há que respeitar a Assembleia da República", defendeu.

Segundo João Torres, "a comissão parlamentar de inquérito à TAP é um instrumento importantíssimo de fiscalização do Governo e não seria de esperar que o chefe do Governo, que o primeiro-ministro, Dr. António Costa, comentasse todos os dias novos desenvolvimentos, novos documentos, novos factos que vão surgindo, associados a essa mesma comissão parlamentar de inquérito".

"É fundamental sublinhar-se é que, em circunstância alguma, o Governo deixou de disponibilizar à comissão parlamentar de inquérito, como é sua obrigação", enfatizou.

O presidente do PS, Carlos César, defendeu que o primeiro-ministro deve avaliar se há ou não necessidade de "algum refrescamento" no Governo, considerando ser preciso "maior rigor e disciplina" para evitar casos como os que têm envolvido a TAP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+