Tempo
|
A+ / A-

PS. Lula tem procurado fomentar "a busca pela paz" na Ucrânia

16 abr, 2023 - 17:21 • Lusa

Jamila Madeira diz que vê uma "preocupação legítima" de solidariedade para com a Ucrânia e usa o exemplo do presidente francês, Emmanuel Macron.

A+ / A-

O PS considerou este domingo que o Presidente do Brasil tem procurado fomentar "a busca pela paz" na Ucrânia, tal como o chefe de Estado francês, salientando não ter ouvido o PSD pedir uma demarcação de Emmanuel Macron.

Em declarações à Renascença, a vice-presidente da bancada do PS Jamila Madeira considera que Lula da Silva "tem vindo a promover a paz".

"A única maneira que conseguimos interpretar a iniciativa que o presidente Lula tem vindo a promover é precisamente naquilo que me parece absolutamente claro para todos os povos e estados do mundo. Queremos que a paz regresse para o território e que de facto se encontrem os caminhos para ela ser conquistada", afirmou a deputada socialista.

Jamila Madeira refere ainda que a China, como "principal parceiro comercial da Europa e do Brasil", é um "parceiro crítico" que "será muito importante para encontrar caminhos para a paz".

Horas antes, o primeiro vice-presidente do PSD, Paulo Rangel, tinha instado o Governo a "tomar uma posição pública e formal" demarcando-se das declarações do Presidente brasileiro de que a União Europeia, a NATO (Aliança Atlântica) e os Estados Unidos da América (EUA) estão a estimular a guerra na Ucrânia.

Lula da Silva será recebido e discursará na Assembleia da República numa sessão de boas vindas no dia 25 de Abril, marcada para as 10:00, hora e meia antes da tradicional sessão solene que assina o aniversário da Revolução dos Cravos.

A deputada socialista admitiu que existem posições diferentes da de Portugal sobre a guerra na Ucrânia até no quadro dos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mas fez questão de sublinhar as relações "cada vez mais robustecidas entre Portugal e o Brasil", quer ao nível dos Estados, quer dos povos.

Sobre eventuais críticas à posição da União Europeia (UE) nesta guerra, Jamila Madeira defendeu que a UE tem procurado "criar condições de apoio aos cidadãos e condições de resistência para que a guerra que acontece" na Ucrânia "possa ter fim o mais breve possível".

Em declarações aos jornalistas, o Presidente do Brasil defendeu no sábado, no final de uma visita à China, que os EUA "devem parar de encorajar a guerra" na Ucrânia e que a União Europeia "deve começar a falar de paz".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    17 abr, 2023 Eu 22:06
    Diz o resto Jamila, ele anda a promover a "Paz", mas a "Paz que convém a Moscovo", que é a "paz", em troca de ficar com o território Ucraniano que ocupou ilegalmente e que além de ser do tamanho de metade da Itália é "apenas e só" o território mais industrializado e rico da Ucrânia. Esse tipo de "Paz", o Lula pode metê-lo ele até sabe onde...
  • Cidadao
    17 abr, 2023 Lisboa 08:50
    Lula da Silva é um criminoso condenado, um Putinista convicto que veio a nossa casa censurar-nos por não fazer o jeito ao seu Putin. Nem o subsecretário do desporto o devia receber, quanto mais o Presidente e a AR.

Destaques V+