Tempo
|
A+ / A-

TAP. Manuel Beja demitido por telefone sem referência a justa causa

11 abr, 2023 - 19:07 • Lusa

Esclarecimentos do presidente do Conselho da Administração da TAP na comissão parlamentar de inquérito à gestão da empresa.

A+ / A-

O presidente do Conselho da Administração da TAP disse hoje ter recebido a notícia do seu despedimento através de um telefonema do ministro João Galamba na manhã do dia do anúncio público, mas sem qualquer referência à justa causa.

Na audição da comissão parlamentar de inquérito à TAP que decorre esta tarde no parlamento, a deputada do BE Mariana Mortágua perguntou a Manuel Beja quando é que tinha recebido a notícia de que ia ser demitido.

"Recebi a noticia da minha destituição por um telefonema do ministro [das Infraestruturas] João Galamba às 10:20 da manhã do dia da conferência de imprensa", começou por revelar.

Sobre se tinha sido informado de que seria por justa causa, o "chairman" assegurou que "nesse telefonema não houve qualquer referência a esse tema".

Manuel Beja e a presidente executiva da empresa, Christine Oumières-Widener, assinaram o acordo de saída da ex-administradora Alexandra Reis, no qual a Inspeção-Geral de Finanças (IGF) concluiu ter havido falhas graves, tendo o Governo decidido exonerar os dois responsáveis, alegando justa causa.

Ao contrário de Ourmières-Widener, Manuel Beja disse que não iria contestar a decisão.

Em junho de 2021, os acionistas da TAP aprovaram em assembleia-geral a nova administração liderada por Manuel Beja, que substituiu Miguel Frasquilho como presidente do Conselho de Administração da companhia aérea.

Até recentemente, o presidente do Conselho de Administração era um nome pouco conhecido na opinião pública, mas a situação alterou-se quando, em dezembro passado, o Correio da Manhã avançou que a ex-administradora Alexandra Reis, na altura secretária de Estado do Tesouro, tinha saído da TAP com uma indemnização de 500.000 euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+