Tempo
|
A+ / A-

Bastonário acusa ministro de falta de ambição na contratação de novos médicos

10 abr, 2023 - 14:44 • Redação

Carlos Cortes desafia Governo a abrir de imediato concursos para a contratação dos 1.300 recém-especialistas.

A+ / A-

O bastonário da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, diz que o ministro da Saúde revela falta de ambição na contratação de novos profissionais. O bastonário desafia a tutela a abrir de imediato os concursos para a contratação dos 1.300 médicos que concluíram a especialidade.

O médico considera que a estratégia de reforço e planeamento do SNS em recursos humanos médicos não tem sido a mais adequada e dá o exemplo dos médicos de família. “Neste momento estão 355 jovens médicos de família disponíveis para serem contratados e, muito curiosamente, e de forma estranha, o ministro da Saúde diz que espera contratar 200 desses médicos”.

Para o bastonário, esta situação “dá um sinal extremamente negativo”, já que o ministro não quer contratar todos os médicos, “apesar de eles serem necessários". Carlos Cortes acrescenta que, neste momento, seriam necessários “mais de 1.100 médicos para dar resposta aos 1.6 milhões de portugueses sem médico de família.

Carlos Cortes acredita que a demora na contratação de novos profissionais pode levar os médicos a abandonarem o SNS e optarem pelo setor privado que “contacta os jovens médicos e oferece-lhes postos de trabalho nas suas instituições”. O bastonário reforça que “o Ministério da Saúde não é concorrencial, perde atratividade e não tem capacidade de fixação e manutenção dos médicos.”

A ordem dos médicos sublinha, ainda, que é “extremamente importante” que os recém-especialistas sejam contratados assim que estiverem disponíveis. Carlos Cortes diz que o SNS e o Ministério da Saúde “têm de desencadear tudo o que estiver ao seu alcance” para contratar os profissionais para que comecem a desenvolver atividade no SNS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+