Tempo
|
A+ / A-

IL pede demissão de João Galamba devido a "reunião secreta" com CEO da TAP

04 abr, 2023 - 21:34 • Manuela Pires , com redação

Já o PSD quer que o primeiro-ministro, António Costa, tire consequências. O encontro com deputados do PS e membros do Governo aconteceu na véspera da primeira audição parlamentar sobre a indemnização à ex-gestora Alexandra Reis.

A+ / A-

Veja também:


O presidente da Iniciativa Liberal, Rui Rocha, pede a demissão do ministro das Infraestruturas, João Galamba. Em causa está uma reunião da CEO da TAP com deputados socialistas no Parlamento, em janeiro, na véspera de Christine Ourmières-Widener ir à comissão de economia.

O encontro com deputados do PS e membros do Governo socialista aconteceu na véspera da primeira audição parlamentar sobre a indemnização à ex-gestora Alexandra Reis.

O encontro com o atual ministro das Infraestruturas, João Galamba, no cargo após a saída de Pedro Nuno Santos, consta de uma troca de emails entre Christine e o Ministério das Infraestruturas.

“Atendendo que esta informação não foi até à data negada, que o Sr. ministro João Galamba se demita de funções governamentais, porque é insustentável, insuportável do ponto de vista da separação de poderes, da saúde do regime democrático, que haja uma reunião desta natureza, seguramente, a ter acontecido, para condicionar os esclarecimentos que a CEO da TAP iria prestar no Parlamento”, declarou o líder da Iniciativa Liberal.

Rui Rocha desafia também o primeiro-ministro, António Costa, a “esclarecer toda esta situação” e o líder parlamentar do a pronunciar sobre o caso da reunião com Christine Ourmières-Widener.

PSD critica "reunião secreta" e desafia Costa

Já o PSD quer que o primeiro-ministro, António Costa, tire consequências.

O deputado Paulo Rios de Oliveira diz que João Galamba tem de pensar se tem condições para continuar no cargo.

“Um ministro que mente ao Parlamento e um ministro que organiza reuniões secretas, misturando o trabalho de dois órgãos de soberania, tem que repensar bem se tem condições e credibilidade para exercer o cargo.”

O ministro das Finanças, Fernando Medina, também não foi poupado nas críticas de Paulo Rios, do PSD.

“Um ministro, como Fernando Medina, que perante o relatório da IGF, que deu origem a uma conferência de imprensa bizarra, em que demitiram perante Portugal inteiro a CEO da TAP, pedindo-lhe depois mais para ser ouvida ouvida na tal auscultação prévia, é um ministro que também não tem bem a noção da responsabilidade. Tudo isto tem de ser ponderado pelo primeiro-ministro”, declarou o deputado social-democrata.

[notícia atualizada às 22h06]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+