A+ / A-

Cavaco questiona gasto de milhões em projetos sociais de rentabilidade “muito discutível”

15 fev, 2023 - 17:46 • Lusa

Antigo chefe de Estado e ex-primeiro ministro não quis dizer que projetos são esses, justificando a sua posição com a “muito perigosa” situação política do país.

A+ / A-

O ex-Presidente da República Aníbal Cavaco Silva questionou esta quarta-feira o gasto de “milhares de milhões” de euros em Portugal em projetos de rentabilidade social “muito discutível”, quando são necessários noutros domínios “para minorar o sofrimento” da população mais carenciada.

“Porque é que milhares de milhões de euros são, no nosso país, encaminhados para projetos e decisões de rentabilidade social muito baixa, muito discutível, quando esses milhares de milhões faltam noutros domínios para minorar o sofrimento de muitos portugueses”, perguntou Cavaco Silva, na Figueira da Foz.

Intervindo durante um almoço comemorativo do 183.º aniversário da Misericórdia – Obra da Figueira, o antigo chefe de Estado e ex-primeiro ministro de três governos do PSD argumentou que os montantes referidos são “encaminhados para outros projetos”, que não nomeou.

Os fundos são aplicados “sem que tão pouco nos apresentem alguns estudos sobre se não seria melhor, em termos de bem-estar social, que eles fossem encaminhados para aplicações alternativas”, disse.

No final do almoço, questionado pela agência Lusa sobre os projetos referidos, Cavaco Silva escusou-se a enumerá-los e prestar mais declarações, justificando a sua posição com a “muito perigosa” situação política do país.

“Eu tenho sido muito solicitado para falar sobre a situação política do nosso país. Mas considero que, da minha parte, não é tempo de falar, porque considero que a nossa situação política é, neste momento, muito perigosa e eu não quero atirar achas para a fogueira”, frisou Cavaco Silva.

“Por isso, peço-lhe desculpa em não acrescentar mais nada do que aquilo que há pouco disse naquele microfone”, sublinhou.

Ainda durante o discurso, Cavaco Silva destacou o papel das Misericórdias, Câmaras Municipais, instituições de solidariedade e voluntários no combate à pobreza e ajuda aos mais desfavorecidos.

“Num país como o nosso em que mais de dois milhões de portugueses se encontram em situação de pobreza, ou de exclusão social, nós podemos imaginar o que seria a gravidade da situação social sem o trabalho das Misericórdias e de outras instituições de solidariedade social”, disse o ex-Presidente da República.

Um trabalho que classificou de “discreto, muitas vezes silencioso, que nem sempre é devidamente reconhecido pelo Governo”, enfatizou.

“O Governo devia, de facto, prestar uma atenção muito particular àqueles que dedicando muito do seu tempo, da sua generosidade, de tempo que deveria ser dedicado à família, muitos voluntários, contribuem para minorar a situação de sofrimento, de pobreza, e, às vezes, de carência alimentar”, alegou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+