Tempo
|
A+ / A-

CDS avança com despedimento coletivo de sete trabalhadores

08 nov, 2022 - 15:11 • João Carlos Malta

Falta de representação parlmentar com a saída da Assembleia da República deixa os centristas sem possibilidade de conseguir responder aos encargos salariais com os funcionários.

A+ / A-

O CDS avançou recentemente com o despedimento de sete trabalhadores do partido, na sequência das dificuldades financeiras que os centristas atravessam depois de terem perdido nas últimas eleições legislativas a representação parlamentar.

Ao que a Renascença apurou, deste grupo de trabalhadores, cinco aceitaram os termos da desvinculação, mas os outros dois vão avançar com ações judiciais.

A redução das subvenções do Estado deixaram o partido liderado por Nuno Melo numa situação financeira muito difícil.

Um desses trabalhadores, em declarações ao ECO, contou o porquê de não aceitar os termos do despedimento.

Segundo o mesmo jornal, António Miguel Lopes, um dos visados, queixa-se de que “tinha apenas uma ocupação efetiva do posto de trabalho” ou seja “não tinha funções atribuídas”.

António garante que não põe em causa a necessidade do partido em avançar com o despedimento coletivo, contudo, lamenta os “contornos pouco simpáticos e humanistas”.

"Não quero obviamente prejudicar o partido, mas obviamente que têm que me pagar o que está na lei. O despedimento é ilícito. No meu caso nem sequer me pagaram qualquer compensação, simplesmente disseram que estava despedido”, afirmou ao ECO.

Por fim, no mesmo jornal está descrito que em 2020, a outra funcionária que agira não chegou a acordo, Alexandra Uva, tinha avançado com um processo em tribunal contra o CDS-PP pela extinção do seu posto de trabalho.

A trabalhadora ganhou o processo e voltou a ser reintegrada. Também nessa altura, António Miguel Lopes foi um dos visados no despedimento coletivo, mas o partido acabou por não dar continuidade ao despedimento deste funcionário.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    08 nov, 2022 Palmela 17:35
    Nao percebo nada desta noticia" eram trabalhadores do cds? No cds tambem se trabalha?

Destaques V+