A+ / A-

Marcelo admite que investigação do MP sobre a TAP é “útil”

19 out, 2022 - 18:01 • Rosário Silva , com Redação

Ministro das Infraestruturas anunciou que foi pedida uma auditoria pela administração da TAP, a propósito da compra de aviões. Foi agora remetida para o Ministério Público.

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admite que pode ser “útil” uma investigação do Ministério Público (MP), no caso das suspeitas que recaem sobre a TAP.

Na Irlanda, onde está em visita oficial, Marcelo Rebelo de Sousa disse aos jornalistas que ficou a saber, na manhã desta quarta-feira, que a atual administração da companhia área nacional solicitou uma auditoria por suspeitas de estar a pagar mais pelos seus aviões que os seus concorrentes.

Sem querer comentar o caso em concreto, o Presidente acabou por dizer, a propósito da auditoria, que tudo o que se apurar sobre anterior gestão da TAP é “útil”.

“Não vou comentar um caso concreto, mas sabem como eu tenho defendido que a reestruturação da TAP tenha sucesso. É uma prioridade nacional", argumentou o chefe de Estado.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, “tudo aquilo que se vá apurando, de gestões mais ou menos antigas, neste caso é uma gestão anterior, e que possa iluminar o que se deve ou não deve fazer, é útil”.

“Vamos esperar o resultado dessa investigação”, rematou, o Presidente da República.

Esta quarta-feira, na comissão parlamentar, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, anunciou que foi pedida uma auditoria pela administração da TAP, a propósito da compra de aviões realizada na altura em que David Neeleman era o principal acionista da empresa.

Concluída a auditoria, foi entregue ao Governo, que a remeteu agora para o Ministério Público.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+