A+ / A-

OE 2023. Costa faz analogia entre corrida de estafetas e Segurança Social sustentável

17 out, 2022 - 23:44 • Lusa

“Como numa estafeta, cada geração leva um testemunho que passa à geração seguinte, essa passará à geração seguinte e aqui a obrigação que cada um de nós tem é a de receber o testemunho da geração anterior e passar à geração seguinte um testemunho melhor do que aquele que recebeu", disse o primeiro-ministro.

A+ / A-

O secretário-geral do PS fez uma analogia entre uma corrida de estafetas e a sustentabilidade da Segurança Social e considerou que os partidos à direita calaram-se quando o Governo demonstrou que é possível aumentar os rendimentos em cerca de 20%.

“Temos hoje uma Segurança Social mais sólida do que tínhamos em 2015, mas a nossa missão e a nossa responsabilidade não é garantir só a sustentabilidade da Segurança Social para quem hoje já é pensionista”, disse António Costa durante uma sessão de apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) a militantes e simpatizantes do PS, em Lisboa.

E prosseguiu: “A nossa missão não é só é garantir a sustentabilidade da Segurança Social para minha geração, que daqui a uns anos vai ser pensionista, é também garanti-la para a geração dos meus filhos e dos filhos dos meus filhos para quem a Segurança Social tem de continuar a ser sustentável”.

O líder socialista fez então uma analogia entre a sustentabilidade do sistema de Segurança Social, que o Governo assegurou desde 2015, e uma corrida de estafetas.

“Como numa estafeta, cada geração leva um testemunho que passa à geração seguinte, essa passará à geração seguinte e aqui a obrigação que cada um de nós tem é a de receber o testemunho da geração anterior e passar à geração seguinte um testemunho melhor do que aquele que recebeu, é para isso que governamos desde 2015”, afirmou.

António Costa, que é primeiro-ministro desde 2015, assegurou que este é um dos objetivos do executivo, que vai levar “até outubro de 2026”.

Costa disse esperar que nessa altura o PS volte “a merecer a confiança dos portugueses para garantir mais anos de progresso e sustentabilidade para Portugal”.

Ao longo do discurso de quase 30 minutos, o líder socialista foi repetindo aquilo que há uma semana o ministro das Finanças, Fernando Medina, apresentou ao país, mas pelo meio deixou duras críticas à direita.

Colocar o “peso dos salários na média de riqueza nacional da União Europeia” era um desígnio socialista só possível com uma subida em média dos salários na ordem dos 20%.

“Quando dissemos isto na altura da campanha eleitoral, a direita disse-nos que éramos irrealistas, quando repetimos depois da campanha, disseram que éramos irresponsáveis e, finalmente, quando assinámos, quer com a UGT, quer com as confederações patronais, este objetivo, aí calaram-se e disseram que não fazíamos mais do que a nossa obrigação”, completou.

Este foi a primeira de várias sessões por todos os distritos do país para explicar os objetivos da proposta orçamental aos militantes do PS.

O Orçamento de Estado para 2023 será votado na generalidade no parlamento no próximo dia 27 de outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+