A+ / A-

OE 2023

Costa diz que Governo está a ganhar "sete a zero" ao FMI nas previsões do crescimento

12 out, 2022 - 15:44 • Lusa

Primeiro-ministro lembrou que Portugal é o "país da União Europeia que teve um crescimento mais alto", mas reconheceu que a economia portuguesa não será imune ao contexto internacional.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quarta-feira que o seu Governo está, "para já", a ganhar "sete a zero" ao Fundo Monetário Internacional (FMI) nas previsões de crescimento da economia portuguesa.

"É uma velha tradição. Este é o oitavo orçamento que eu apresento e não me lembro um único em que as previsões, nomeadamente do Fundo Monetário Internacional, não divirjam das previsões que nós apresentamos", disse António Costa, concluindo: "Ao longo destes oito anos, eu não quero garantir, mas devo dizer que estamos, para já, sete a zero. Vamos a ver este ano".

O primeiro-ministro falava aos jornalistas em Viseu, onde participa numa conferência da AICEP sobre "Exportações & Investimentos", a propósito das previsões que o FMI apresentou na terça-feira, menos otimistas que as do executivo.

O fundo melhorou ligeiramente as perspetivas de crescimento da economia portuguesa deste ano para 6,2%, mas cortou as do próximo ano para 0,7%, revelando-se mais pessimista do que o Governo.

Na semana passada, o primeiro-ministro português afastou um cenário "de não crescimento e menos ainda de recessão" no próximo ano, e antecipou que a economia vai "continuar a crescer acima da média europeia".

"Este ano somos o país da União Europeia que teve um crescimento mais alto, no próximo ano [haverá] recessão em muitos países europeus, e nós necessariamente não somos imunes e, portanto, Portugal vai crescer menos do que cresceu este ano, mas não vamos ter nenhum cenário de não crescimento e menos ainda de recessão", salientou.

De acordo com o primeiro-ministro, o cenário económico para 2023, no qual assentará o Orçamento do Estado, é "de crescimento moderado, ajustado às realidades do tempo" que "assenta numa desaceleração significativa da taxa de inflação e sobretudo uma preocupação fundamental que é a chave para a política económica, que é podermos manter o emprego e podermos sustentar sem alimentar a espiral de inflação aquilo que são os rendimentos das famílias e a capacidade de competir das empresas".

"Depois de termos este ano um crescimento muito acima dos 6% e que foi o mais elevado da União Europeia, no próximo ano vamos obviamente ter o nosso crescimento ajustado aquilo que é a evolução da zona euro. Portanto, não vamos ter crescimentos desta ordem, nada que se pareça, mas é um cenário onde podemos ter confiança que o país vai continuar a crescer, vai continuar a crescer acima da média europeia e a aproximar-se dos países mais desenvolvidos da União Europeia", apontou Costa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+