Tempo
|
A+ / A-

Caso Endesa. Luís Montenegro acusa Costa de confundir maioria absoluta com poder absoluto

02 ago, 2022 - 20:55 • Lusa

Líder do PSD diz que o primeiro-ministro anda "nervoso" a lidar com situações inconvenientes.

A+ / A-

O líder do PSD, Luís Montenegro, acusa o Governo de levar o exercício do poder "demasiado longe" no despacho do primeiro-ministro sobre a Endesa, considerando que o executivo anda "nervoso" a lidar com situações inconvenientes.

“Ter um primeiro-ministro que individualiza uma determinada empresa e que faz com que seja o Governo, através do secretário de Estado da tutela, a validar pagamentos a fornecedores é levar o exercício do poder do Governo demasiado longe e confundir maioria absoluta com o poder absoluto que o PS pretende exercer em Portugal”, disse o líder social-democrata, que falava aos jornalistas, antes de visitar a feira Expofacic, em Cantanhede.

Num despacho assinado na segunda-feira e enviado hoje às redações, o primeiro-ministro, António Costa, determinou que os serviços do Estado não podem pagar faturas da Endesa sem validação prévia pelo secretário de Estado do Ambiente e da Energia, depois de o presidente da empresa ter admitido aumentos de 40% na eletricidade.

Para Luís Montenegro, “é muito insólito ver um primeiro-ministro querer intervir em matérias que não são da sua responsabilidade direta”, frisando que é necessário um esclarecimento sobre a evolução dos preços da eletricidade.

Segundo o presidente do PSD, o seu partido está a ultimar um requerimento ao Governo e à Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) nesse sentido.

“Os membros do Governo andam um pouco nervosos e impulsivos a lidar com as situações mais inconvenientes ou adversas. Eu nem sequer estou a discutir se a pessoa da empresa em questão esteve correta ou não. O Governo tem esclarecimentos a dar. Uma coisa é dar esclarecimentos outra coisa é dizer a este fornecedor em concreto só se paga depois de se ver a fatura”, vincou.

Luís Montenegro realçou que esclarecimentos sobre o mecanismo travão são bem-vindos, considerando que é importante as pessoas, famílias e empresas terem “segurança relativamente à evolução dos preços”.

“Agora, quando não se quer esclarecer, arranjam-se subterfúgios, arranjam-se esquemas alternativos”, notou, considerando que o assunto acaba por ser “uma manobra de distração e diversão”, não se falando “do que importa”, nomeadamente o que o Governo irá fazer com a receita fiscal acima do estimado provocada pela inflação.

“Infelizmente, estamos perante um Governo que faz lembrar um bocadinho aquele ditado: ‘Aquilo que começa mal, tarde ou nunca se endireita’. Este governo está a começar tão mal que nós cada vez mais em Portugal não temos razões para confiar que se irá endireitar”, asseverou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    03 ago, 2022 Paços 21:00
    Está visto que a estratégia do Montenegro é todos os dias vir dizer uma "frase dita"
  • ze
    03 ago, 2022 aldeia 06:36
    Uma maioria absoluta do PS geralmente nunca dá bom resultado,Vamos esperar para ver.

Destaques V+