Tempo
|
A+ / A-

Montenegro diz que houve "acordo mínimo" na descentralização "entre municípios e Governo"

19 jul, 2022 - 13:01 • Lusa

Presidente dos sociais-democratas diz que processo "tem corrido mal e tem sido muito lento" e esclareceu que este "não é um acordo do PSD".

A+ / A-

O presidente do PSD, Luís Montenegro, classificou esta terça-feira como "acordo mínimo" o entendimento alcançado em matéria de descentralização nas áreas da saúde e educação, salientando que "não é um acordo do PSD, mas dos municípios com o Governo".

No final de visitas a dois projetos na área social no concelho de Cascais, Luís Montenegro foi questionado sobre o acordo aprovado na segunda-feira pela Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) de descentralização de competências com o Governo, para as áreas da educação e da saúde, depois de vários meses de negociações, contando com os votos a favor dos autarcas eleitos pelo PS e pelo PSD e os votos contra dos autarcas do Partido Comunista.

"O processo de descentralização tem corrido mal e tem sido muito lento, tivemos três anos até atingir este acordo mínimo", afirmou Montenegro.

O líder social-democrata fez questão de frisar que "é um acordo que não é do PSD, é da ANMP com o Governo" nas áreas em que se verificavam maiores obstáculos, nos domínios da educação e saúde.

"É melhor ter havido esse mínimo comum, do que não haver. Isso não invalida que processo de descentralização ainda tenha muito para caminhar e o atraso que ocorreu na sua execução", criticou.

Questionado pelos jornalistas se já tem data para o encontro com o primeiro-ministro, no qual deverá ser discutido o tema do futuro aeroporto, Luís Montenegro reiterou o que já tinha afirmado publicamente na segunda-feira: "Nos próximos dias, teremos algumas novidades sobre isso".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+