Tempo
|
A+ / A-

PSD empurra aeroporto para o Governo. Tema "não é um casinho"

11 jul, 2022 - 19:13 • Lusa

Partido quer saber se António Costa avança com a Avaliação Ambiental Estratégica antes de haver "outros progressos" sobre o tema.

A+ / A-

O PSD condenou hoje o primeiro-ministro por reduzir o episódio com Pedro Nuno Santos sobre futuro aeroporto a "um casinho", desafiando-o a dizer se avança com a Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) antes de haver "outros progressos" sobre o tema.

No final da primeira reunião da Comissão Política Nacional (CPN) do PSD desde a tomada de posse de Luís Montenegro, em 3 de julho, o primeiro vice-presidente do partido, o eurodeputado Paulo Rangel, não avançou ainda uma data para o encontro entre o novo presidente social-democrata e António Costa.

"Há de haver oportunamente - e não demorará muito - um encontro entre o primeiro-ministro e o presidente do PSD, não especificamente para tratar deste assunto, será um encontro para todos os assuntos da agenda, esse será um deles", disse.

Hoje, a CPN do PSD "condenou veementemente" a forma como o primeiro-ministro se referiu ao diferendo com o seu ministro das Infraestruturas, dizendo tratar-se de "um erro efémero e de casos e casinhos".

No sábado, na reunião da Comissão Nacional do PS, António Costa defendeu o partido deve continuar a ignorar a "bolha político-mediática" e concentrar-se nos problemas concretos que interessam aos portugueses, aludindo à polémica sobre o novo aeroporto de Lisboa.

"É o maior investimento público que Portugal tem para fazer nas próximas décadas. Não é um caso ou casinho, é uma decisão estrutural para o país", criticou hoje Paulo Rangel.

Por outro lado, insistiu que António Costa ainda não disse ao país o que vai fazer com AAE que estava adjudicada para estudar três localizações possíveis do futuro aeroporto e que foi invalidada com o despacho de Pedro Nuno Santos, depois revogado.

"Quer o Governo levar para a frente a AAE? E vai levar para a frente com a entidade a que estava adjudicada e a respeito da qual se levantaram algumas questões de transparência? Não pode haver progressos nesta questão sem o Governo dizer o que quer fazer com isto", afirmou.

Questionado sobre a posição do PSD sobre esta avaliação, Rangel defendeu que é o Governo "que governa há sete anos e com maioria absoluta" que tem de responder.

"O Governo não pode passar a bola ao PSD, o PSD não é responsável pelos falhanços do Governo", disse.

Já sobre as declarações do primeiro-ministro no sábado quanto à regionalização - em que acusou o PSD de ter medo de ouvir os portugueses -, Paulo Rangel disse não lhe merecerem comentário.

"São declarações feitas para consumo partidário e para distrair as pessoas das questões que as estão a preocupar, como os incêndios e a saúde", apontou o primeiro "vice" social-democrata.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    14 jul, 2022 Porto 17:06
    No PS há muita politiquice, intriguice, e funcionam como se fossem "donos disto tudo"; têm diversas "tribos", para agradar a toda as "clientelas" e depois verificar-se-á que perderão as próximas eleições... António Costa é um homem bom, velho e cansado: já não "controla o PS... e o tempo não está para paninhos quentes, nem frios.

Destaques V+