Tempo
|
A+ / A-

António Costa: "Obviamente, não considero aceitáveis as falhas" na Saúde

22 jun, 2022 - 15:19 • Ricardo Vieira

Em debate no Parlamento, António Costa diz que "não basta reforçar o SNS", é preciso organizar os meios e recursos humanos.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, não considera aceitáveis as falhas nas urgências do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Obviamente, não considero aceitáveis estas falhas de serviço" do SNS", declarou António Costa no primeiro debate parlamentar com o primeiro-ministro da nova legislatura.

O chefe do Governo foi confrontado pelo líder parlamentar do PSD, Paulo Mota Pinto, com a situação de caos nas urgências que levou a ministro da Saúde a anunciar um plano de contingência. Paulo Mota Pinto perguntou se a equipa de António Costa não teve tempo para prevenir falhas em sete anos de governação.

Na resposta, o primeiro-ministro assinalou que o SNS "conseguiu dois grandes sucessos civilizacionais no nosso país: a redução drástica da mortalidade infantil e o aumento da esperança de vida".

"Este sucesso do SNS cria um novo quadro demográfico que exige reformas estruturais no SNS", sublinhou António Costa.

O primeiro-ministro considera que "não basta reforçar o SNS" e diz que "desde 2016 até hoje aumentámos em 30% o orçamento do SNS".

"Aumentámos em termos líquidos 5 mil profissionais no SNS. Só na especialidade de genecologia e obstetrícia aumentamos 13,7% o número de especialistas", argumentou.

António Costa admite que, apesar destas medidas, nas últimas duas semanas faltaram médicos.

"É por isso que é necessário termos uma gestão em rede, uma reorganização da rede e uma estrutura de referenciação, para que nestes momentos em que há férias, pontes ou feriados a qualidade de serviço seja assegurada a todas as portuguesas e portugueses", declarou.

O PSD pediu depois a demissão da ministra da Saúde, Marta Temido, "por incapacidade de gestão ou de promover reformas que mantenham o nível do SNS".

Na resposta, António Costa garante que ouve toda a gente, mas é ele quem toma as decisões e que mereceu recentemente um voto de confiança dos portugueses, com a vitória nas eleições legislativas com maioria absoluta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+