Tempo
|
A+ / A-

Marcelo espera que sindicatos dos médicos e Governo cheguem a acordo

17 jun, 2022 - 21:35 • Lusa

O chefe de Estado salientou que "há duas situações diferentes, uma é o planeamento geral relativamente à saúde, outra coisa é a resolução de um ponto concreto desta crise, que foi a crise dos obstetras e das urgências e do pagamento das urgências".

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esperar que os sindicatos dos médicos e o Governo cheguem a acordo nas negociações das condições de trabalho no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Eu acho que a interlocução tem de ser, obviamente, entre o Governo e os sindicatos. É um problema de sindicatos, laboral, e do Governo. Espero que cheguem a acordo", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, esta sexta-feira, em Castanheira de Pera, distrito de Leiria.

O chefe de Estado salientou que "há duas situações diferentes, uma é o planeamento geral relativamente à saúde, outra coisa é a resolução de um ponto concreto desta crise, que foi a crise dos obstetras e das urgências e do pagamento das urgências".

"Uma coisa é o panorama geral que vai ter de ser debatido, ponderado e decidido depois, porque não se reduz apenas à questão da urgência dos obstetras", declarou, considerando a questão das urgências de ginecologia/obstetrícia um "sinal de febre".

Quanto a esse sinal de febre, o Presidente da República manifestou o desejo de que "seja possível encontrar, como acontece muitas vezes na febre, aquele que é o medicamento para resolver concretamente esse ponto para já".

"Vamos esperar que o diálogo permita", acrescentou, reconhecendo que "há uma coisa ainda mais importante e mais longa, que são os meses de julho, agosto e até setembro".

"Eu espero pensando no problema geral - não se pode separar completamente uma coisa da outra - haja no diálogo possibilidade de encontrar uma forma de prevenir para o verão em que estamos a entrar a não repetição de casos como este", adiantou Marcelo Rebelo de Sousa.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+