Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Governo continua a recusar soluções fundamentais" para o SNS, critica PCP

13 jun, 2022 - 21:57 • Redação

Paula Santos voltou a criticar "a falta de resposta do Orçamento de Estado para salvar o SNS".

A+ / A-

A líder parlamentar do PCP, Paula Santos, criticou, esta segunda-feira, o Governo por "continuar a recusar soluções fundamentais" para o SNS.

Durante os últimos dias têm sido divulgadas várias notícias de serviços de urgência obstétricos fechados em muitos hospitais na zona da Grande Lisboa. Na sexta-feira, foi noticiado que um bebé morreu no Hospital das Caldas da Raínha, onde as urgências de obstetrícia se encontravam encerradas. Nessa altura o Hospital recusou um nexo causal entre a morte do bebé e os problemas nas escalas.

A Ministra da Saúde, Marta Temido tem estado em reuniões de emergência, ao longo desta segunda-feira, com as autoridades de saúde da ARS de Lisboa e Vale do Tejo, com os clínicos e com a Ordem dos Médicos.

Em resposta aos mais recentes desenvolvimentos, a líder parlamentar do PCP diz que a realidade está a dar razão ao partido.

"O PCP há muito que alertou para o problema da falta de médicos e para a sangria de profissionais de saúde no SNS", defendeu, numa declaração enviada à Renascença.

Paula Santos voltou a criticar "a falta de resposta do Orçamento de Estado para salvar o SNS" que, recordou, foi o que "levou o PCP a votar contra o Orçamento".

"O PS e o Governo são cúmplices daqueles que procuram degradar e descredebilizar o SNS, com o objetivo de transferir a prestação de cuidados para os grupos privados, alimentando o negócio da doença", apontou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+