Tempo
|
A+ / A-

Montenegro regista "confissão de incompetência" de Costa sobre novo aeroporto

06 jun, 2022 - 19:26 • Lusa

"Se não conhecesse o senhor primeiro-ministro há muitos anos diria que tinha ficado comovido com este rasgo de humildade", declarou o líder eleito do PSD.

A+ / A-

O presidente eleito do PSD disse hoje, em Santarém, registar a "confissão de incompetência" do primeiro-ministro ao manifestar a esperança de ser o PSD "a dar uma solução" à localização do novo aeroporto e à alta velocidade ferroviária.

Luís Montenegro visitou hoje a 58.ª Feira Nacional da Agricultura/68.ª Feira do Ribatejo, que decorre até domingo no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém, numa delegação que foi recebida pelo presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa.

"Se não conhecesse o senhor primeiro-ministro há muitos anos diria que tinha ficado comovido com este rasgo de humildade, de ele vir reconhecer, sete anos depois de ser primeiro-ministro, a sua incompetência em resolver o assunto e a sua esperança de que seja o PSD a dar uma solução a esses problemas", declarou.

Questionado pelos jornalistas sobre as declarações de António Costa, de que, após a sua tomada de posse como novo líder do Partido Social Democrata (PSD), o quer ouvir sobre a localização do aeroporto de Lisboa e a alta velocidade ferroviária, Luís Montenegro afirmou que responderá "a seu tempo".

"Mas não quero deixar de registar esta confissão de incompetência, porque fica bem, é de facto uma atitude humilde, fica bem a um primeiro-ministro dizer que falhou, e ele falhou redondamente e rotundamente neste tema", afirmou.

Sobre as palavras elogiosas proferidas de Cavaco Silva a seu respeito, Luís Montenegro afirmou que "são seguramente um incentivo", por se tratar "de uma personalidade que é muito respeitada pelos portugueses e que tem uma experiência que mais ninguém tem, do ponto de vista da longevidade quer da ação governativa quer depois da Presidência da República".

Para o novo líder social-democrata, na entrevista que deu à CNN, Cavaco Silva fez "uma análise muito correta da situação política e governativa em Portugal" e deixou "uma palavra de esperança e de estímulo ao seu partido" para que possa, de novo, "trazer um ciclo de progresso, de desenvolvimento como não houve" depois da sua governação na década de 1985 a 1995.

"É um líder histórico, carismático do PSD, que muito respeitamos, que faz parte do nosso património, do ponto de vista da nossa capacidade de realização e é até muito curioso que nesta altura se dê oportunidade às gerações mais novas, que não viveram a década de 1985 a 1995, de irem verificar como é possível mudar tanto um país, ao invés do que se foram apercebendo nos últimos anos, porque não muda nada, temos um Governo que é de empata, de empurrar com a barriga para a frente e de deixar tudo na mesma", declarou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+