Tempo
|
A+ / A-

Entrevista

​Carlos Carreiras. "PSD tira um santinho do andor e põe lá outro, mas não muda nada"

16 mai, 2022 - 07:40 • Manuela Pires

Autarca de Cascais tem dificuldade em escolher entre Luís Montenegro e Jorge Moreira da Silva e confessa que não decidiu em quem vai votar nas eleições diretas de 28 de maio. O PSD corre o risco de desaparecer, alerta Carlos Carreiras.

A+ / A-

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, considera que o PSD está "ainda mais" irrelevante e teme que, com a eleição do futuro líder, tudo fique na mesma, porque o sistema "é o mesmo e a solução que vamos encontrar é igual à do passado". Em entrevista à Renascença, o autarca social-democrata defende uma estratégia diferente para o partido que considera estar "em risco de desaparecer".

Carlos Carreiras tem dificuldade em escolher entre Luís Montenegro e Jorge Moreira da Silva e confessa que não decidiu em quem vai votar nas eleições diretas de 28 de maio. O ex-vice-presidente de Passos Coelho garante que não quer entrar em listas para o Conselho Nacional do PSD, justificando que tem "outras preocupações".

Seis meses depois o PSD volta a escolher um novo líder. Na altura disse à Renascença que o partido se tinha tornado irrelevante. E agora?

Considero que estamos ainda mais irrelevantes e espero que essa situação se inverta a partir do momento em que sejam eleitos o novo presidente do partido e todos os novos órgãos nacionais. Temo é que isso não venha a acontecer.

Como assim?

Eu gosto de estudar e há a história que nos ajuda a perceber, sei que a história nem sempre se repete. Mas, por exemplo, há cem anos o mundo passou por uma pandemia e duas guerras mundiais, depois disso, tudo foi diferente. Agora estamos a ter uma pandemia e uma guerra mundial, mas com contornos diferentes. E o espectro partidário também se alterou na altura.

E acredita que é isso que vai também acontecer?

Sim, e já temos sinais evidentes. Por exemplo, em França e Itália, para falar de países do sul da Europa. Alguém imaginaria que o Partido Socialista em França desaparecesse ou que o Partido da Democracia Cristã italiano desaparecesse? O que é certo é que desapareceram e surgiram novas forças políticas e creio que o PSD está já nesse processo, em risco de desaparecer.

Não acredita que nenhum destes dois candidatos, Luís Montenegro ou Jorge Moreira da Silva, possam dar a volta a esse cenário?

Eu, por um lado, acho que há uma grande generosidade, quer de um quer do outro, e uma grande disponibilidade, porque, naturalmente, sabem que a situação não é, de todo, fácil. Eu conheço bem os dois, trabalhei com eles, nomeadamente na Comissão Política de Pedro Passos Coelho. O que eu não acredito é no sistema que é o mesmo e a solução que vamos encontrar é igual à do passado.

E há alternativas?

Eu defendi uma solução completamente diferente. Primeiro, não está escrito em lado nenhum que o presidente do PSD tenha que ser o candidato a primeiro-ministro. Segundo, o PSD tem um problema que é de reativação do próprio partido e, portanto, o foco deve ser no próprio partido. Defendia que devia haver aqui um esforço genuíno de união do partido para ir buscar os melhores e não estarmos aqui a fazer uma segmentação sobre quem é que foi da fação A e ou da fação B.

Tentou, dentro do partido, levar esta sua ideia por diante?

Sim, cheguei a fazer alguns contatos, mas percebi que isso não era possível. O PSD parece como uma procissão, que sai do adro e depois vão mudando de santinho em cima dos andores. O PSD tem andado a fazer, nos últimos tempos, é tirar um santinho do andor põe lá outro santinho, mas não muda rigorosamente nada.

E o que é preciso?

Em primeiro lugar, organização e uma redefinição de estratégia do partido que se afastou, nos últimos anos, dos principais temas. Por exemplo, não se percebe que neste momento a grande preocupação do PSD seja uma revisão constitucional. Quer dizer, não é propriamente aquilo que os portugueses identificam como um fator determinante para o desenvolvimento do país. O PSD foi prejudicado por uma liderança autocrática e isso teve consequências também na própria militância.

Dos cerca de 86 mil militantes, apenas 44 mil têm as quotas em dia e podem votar nas próximas diretas. Mas este número voltou a descer em comparação com as eleições de outubro. O desencanto dos militantes é visível?

É uma tendência, que já não é de agora. E mesmo esses 40 e tal mil que podiam votar nem todos o fazem.


Dos dois candidatos à liderança do partido, qual é que tem o melhor perfil para o PSD nesta altura?

Essa é a minha dificuldade, porque encontro ativos e passivos num e noutro, defeitos e qualidades que me levam a não ter a garantia que são as pessoas certas para uma solução que o PSD precisava neste momento. Mas também reconheço que é muito difícil reunir numa pessoa todas as condições necessárias.

Ainda não decidiu em quem vai votar?

Ainda não. Vou estar atento ao que cada um propõe e que apoios têm porque isso mostra a tendência que querem seguir, e depois logo decido em quem vou votar.

Mas a duas semanas das diretas ainda não consegue escolher? A campanha já anda pelo país.

Já tive alguns sinais positivos e negativos, quer de um, quer de outro. Mas já transmiti aos dois que estou completamente disponível para ajudar, depois das eleições, mas para lugares não executivos. Se entenderem que a minha opinião ou conselho seja útil estou disponível…

Está disponível para integrar uma lista ao Conselho Nacional?

Não, de todo, tenho outras preocupações. Agora cada vez mais digo que Cascais é realmente o meu partido.

No atual cenário, com um Governo de maioria absoluta e dois partidos, na Assembleia da República, à direita do PSD. Qual deve ser o posicionamento do PSD?

Por isso é que defendo um sistema de organização diferente para o PSD. Um é de organizar o partido e prepará-lo para um futuro. E o segundo é de preparar o PSD para uma liderança de Governo que se vai colocar daqui a quatro anos.

E acredita que o líder agora eleito vai chegar lá?

Eu espero que sim, senão estamos a prolongar a tal procissão em que vai haver mais um santinho para substituir no andor. Tenho de acreditar que é essa a vontade de todos.

E quanto às prioridades do próximo líder do PSD…

Por exemplo, nós hoje temos uma dicotomia que há uns tempos atrás não tínhamos, estou a falar das chamadas energias da guerra e as tão necessárias energias da paz que temos de encontrar. O próprio posicionamento de Portugal que era considerado um país periférico e isso era negativo e agora, com a guerra, é positivo porque estamos mais afastados do conflito e mais avançados nas energias da paz.

Este é o primeiro ponto, depois as alterações climáticas. A crise climática continua a existir e o que é que o PSD tem preparado para este problema? Não se sabe, mas o que é certo é que também não se sabe o que pensam os outros partidos. Por isso é que eu digo que o próprio sistema partidário português, por desajustamento à própria realidade, pode implodir e surgem novas forças partidárias.

Como o Chega e a Iniciativa Liberal que estão a ganhar terreno na oposição no Parlamento…

Pois, por isso é que eu penso que tínhamos este tempo, de dois anos, para o PSD se reorganizar, para se rejuvenescer e para pensar a social democracia. E pensar também em ideias, por exemplo, para o Serviço Nacional de Saúde. Nós não temos um Serviço Nacional de Saúde, nós temos um serviço nacional de doentes e, mesmo assim, com grandes falhas que ficaram ainda mais evidentes com a questão da pandemia.

Outro tema, a Educação, dois pilares absolutamente fundamentais no desenvolvimento do país. Há o problema da falta de professores e da pouca atratividade para os professores. Como é que isso se resolve? Aliás, quando falamos de descentralização, na minha opinião, é cada vez mais evidente que há problemas que serão melhor resolvidos porque estão mais próximos e conseguimos encontrar mais facilmente soluções do que o Estado central.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    16 mai, 2022 ILHAVO 10:24
    A única curiosidade que tenho é a de saber quem são os figurantes que se juntarão à procissão e quem carregará o andor! O melhor será levá-los aos dois, ... e ver se chove bastante.

Destaques V+