Tempo
|
A+ / A-

Descentralização vai “correr bem e acabar melhor", diz Costa

07 mai, 2022 - 16:59 • Henrique Cunha

Primeiro-ministro reconheceu a existência de problemas, mas garantiu que "com boa-fé" serão encontradas soluções.

A+ / A-

À entrada para a Conferência sobre o Futuro da Europa, na Fundação de Serralves, no Porto, António Costa reconheceu a existência de problemas, mas garantiu que "com boa-fé" serão encontradas soluções.

O primeiro-ministro sublinha que “há problemas das mais diversas naturezas, mas importante é identificá-los e com boa-fé uns e outros procurem encontrar soluções para alguns desses problemas".

António Costa, que chegou a Serralves na companhia o Presidente da Câmara do Porto, adiantou que aproveitou para falar no automóvel com Rui Moreira sobre as dúvidas do autarca com o processo de descentralização e admitiu que “ainda não há um entendimento, mas há-de haver”.

Já sobre os problemas entre a Associação de Municípios Portugueses (ANMP) e a Câmara do Porto, o primeiro-ministro ressalvou que essa questão "transcende" o Governo.

Preço dos combustíveis. “Cada um pode saber a que bombas deve ir”

O primeiro-ministro também falou longamente do preço dos combustíveis e assegurou que, se o Governo não tivesse baixado o Imposto sobre os produtos Petrolíferos (ISP), na segunda-feira a gasolina e o gasóleo estariam mais caros 20 cêntimos por litro.

António Costa não se compromete com novas descidas no imposto, nem com o regresso do autovaucher e sugere aos consumidores a consulta do site da ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica) para se perceber quais as gasolineiras que estão a respeitar as descidas da carga fiscal.

O primeiro-ministro referiu, ainda, que, “até hoje, a ERSE (Entidade Reguladora do Setor Energético) disse que não há evidência nenhuma de que as gasolineiras estejam a aumentar as margens (de lucro) à custa da redução dos impostos” e sugeriu a consulta do site da ASAE porque “a ASAE faz uma avaliação mais fina, porque verifica [preços] bomba de gasolina a bomba de gasolina”. “Cada um pode saber a que bombas a que deve ir para pagar menos e a que bombas onde pagará mais se for lá”, sublinhou.

Ucrânia: Governo "nunca" divulgará material enviado

Questionado sobre se o Governo autorizou o envio de 15 carros blindados para a Ucrânia, António Costa garantiu que o seu executivo nunca divulgará qual o material enviado. O primeiro-ministro afirmou também que não vai divulgar a data da sua deslocação á Ucrânia por razões de segurança. “Nós temos vindo, desde a primeira hora, a dar suporte à Ucrânia, seja em meios financeiros, meios humanitários, material militar. Primeiro na natureza não letal e depois na natureza letal. Nunca divulgámos até agora, por razões de segurança, qual o tipo de material que temos enviado. A Ucrânia conhece-o”, referiu Costa, numa longa resposta. E prosseguiu: “Listamos o material e a Ucrânia aprova se aquele material corresponde às suas necessidades ou não corresponde às suas necessidades. Até agora, nunca divulgámos qual é o material, nem vamos divulgar”.

[notícia atualizada às 17h55 de sábado, 7 de maio de 2022]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+