Tempo
|
A+ / A-

25 Abril. Ramalho Eanes "esperava mais" na altura da Revolução

01 abr, 2022 - 20:26 • Lusa

Antigo Presidente da República assume que também tem responsabilidade pela falta de politização da sociedade e de dinâmica da democracia.

A+ / A-

Ramalho Eanes admitiu, esta sexta-feira, que na altura do 25 de Abril de 1974 "esperava mais". O antigo Presidente da República considera que não foi feito o suficiente para se "politizar a sociedade" e instituir uma "democracia dinâmica".

"Há uma coisa indiscutível: o 25 de Abril trouxe a liberdade, trouxe a democracia. Não escondo que, na altura, esperávamos mais, esperávamos uma democracia dinâmica, em que o povo resolvesse participar, em que o povo sentisse que ele é efetivamente o dono da liberdade e o dono do país", afirmou Ramalho Eanes, em declarações aos jornalistas.

O Presidente da República entre 1976 e 1986 falava à entrada para a sessão evocativa dos 30 anos da morte de Salgueiro Maia, que decorreu no Largo do Carmo, em Lisboa, e a que assistem capitães de Abril como Vasco Lourenço ou Carlos Matos Gomes, mas também o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva.

Ramalho Eanes também assume culpa


No entender de Ramalho Eanes, "os Governos são apenas um instrumento, um instrumento historicamente determinado, não mais que isso". De o povo "colaborar com esse instrumento, exigir esse instrumento e, quando fosse necessário, contestá-lo".

"Isso, infelizmente, não aconteceu", lamentou.

Ramalho Eanes, o primeiro Presidente da República a ser eleito democraticamente, afirmou fazer essa constatação "com um grande à vontade", por também ter "culpa nesta situação".

"Não fizemos aquilo que é indispensável num povo que está amorfo, que nunca teve democracia, que vem de um regime autoritário salazarista. Nós devíamos ter, de alguma maneira, politizado a sociedade, devíamos ter feito com que realmente esse comportamento fosse sentido, fosse interiorizado e fosse praticado, porque só ele é que permite que a democracia se aprofunde permanente", indicou.

Eanes frisou que a democracia "não é uma conquista": "A democracia é um desafio e, ou se luta para vencer esse desafio, ou a democracia começa a desiludir, começa a fragilizar-se, o que naturalmente é complicado e perigoso."

Salgueiro Maia "não pediu nada"


Abordando a figura de Salgueiro Maia, Eanes considerou que o oficial de Cavalaria "representa, simbolicamente, todos os capitães: participou, arriscou-se, não pediu nada, não recebeu nada".

"Acho que há aqui o ideal de pureza que é aquele que corresponde àquilo que era o grande propósito inicial de Abril (...), que era devolver ao povo aquilo que lhe pertencia geneticamente, que era a liberdade e o povo utilizar a liberdade como quisesse", frisou.

Eanes sublinhou que Salgueiro Maia é um "símbolo, sempre vivo, dos ideais genéticos da Revolução".

No domingo, assinalam-se os 30 anos da morte do capitão Salgueiro Maia, falecido a 3 de abril de 1992.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+