Tempo
|
A+ / A-

Crise/Energia. BE quer sobretaxa sobre empresas para apoiar famílias mais vulneráveis

19 mar, 2022 - 17:57 • Lusa

Catarina Martins alertou que, se para as pessoas a crise energética "é o frio ou dinheiro que não chega para as conta do mês, para as petrolíferas a crise energética tem sido uma festa".

A+ / A-

A coordenadora do BE defendeu, este sábado, a criação de uma sobretaxa para as empresas que têm lucrado com o aumento dos preços da energia devido à guerra na Ucrânia, e que sirva para apoiar as "famílias mais vulneráveis".

Numa sessão em Lisboa "pela paz e pelo fim à invasão da Ucrânia", Catarina Martins alertou que, se para as pessoas a crise energética "é o frio ou dinheiro que não chega para as conta do mês, para as petrolíferas a crise energética tem sido uma festa".

"Queremos uma sobretaxa que traduza estes sobrelucros das elétricas em apoio direto às famílias mais vulneráveis e à tarifa que pagam na sua eletricidade. E queremos estabelecer um preço máximo para a eletricidade que é produzida a gás", defendeu.

Para o Bloco, são "os acionistas das grandes companhias que devem ser chamados a conter os efeitos da crise energética e não quem passa frio ou não tem salário até ao fim do mês para pagar as deslocações para o trabalho".

"Baixar os impostos sem impor regras sobre os preços é premiar a especulação. Baixar impostos e combater a especulação é o caminho para baixar o preço da energia, proteger a população e a economia", defendeu.

A coordenadora do BE referiu, por exemplo, que a Galp lucrou 457 milhões com a subida do preço dos combustíveis e vai entregar 565 milhões de euros aos acionistas, "entre eles, a família Amorim, a Sonangol e fundos de investimento norte-americanos".

"Vamos aceitar ito? É justo que a Galp lucre com a pobreza de quem não tem alternativa senão pagar os preços especulativos dos combustíveis? O Estado é acionista da Galp, como votou o representante do Governo esta decisão? O que pretende fazer para travar estes ganhos? Ou espera ganhar por duas vias: pela via fiscal e pela via dos dividendos da Galp?", questionou.

O BE propõe ainda que o Governo adote três medidas "no imediato" neste setor.

"Reduzir a taxa de IVA sobre a eletricidade e o gás para o escalão mínimo, por se tratar de bens de primeira necessidade. As medidas de remendo adotadas pelo Governo não resolveram o problema e mesmo uma botija de gás - o aquecimento dos mais pobres - mantém-se com o IVA em taxa máxima", lamentou.

Por outro lado, o BE defende a eliminação do chamado 'adicional ao ISP' criado pelo Governo em 2016 e a dupla tributação do IVA, que, atualmente, incide sobre a soma do valor do combustível e do ISP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+