Tempo
|
A+ / A-

​Congresso do CDS: Guimarães ou Lamego, eis a nova questão

08 mar, 2022 - 12:55 • Susana Madureira Martins

A menos de um mês do Congresso que vai eleger o novo líder, o CDS ainda não decidiu onde vai realizar a reunião máxima, sendo que está tudo dependente de uma questão: o preço a pagar pelo local. O partido está em dificuldades financeiras. Nuno Melo, candidato à liderança, já pediu cautela na escolha do local e para o pré-candidato Miguel Mattos Chaves esse é um "problema" que não se coloca

A+ / A-

É a mais recente interrogação entre os centristas, a menos de um mês do Congresso que vai eleger o novo líder do CDS, entre 2 e 3 de abril: o partido ainda não decidiu onde vai realizar o encontro e as opiniões dividem-se entre Guimarães e Lamego, mas também já há quem tenha defendido Tomar ou Aveiro.

A Comissão Organizadora do Congresso (COC) reuniu-se quinta-feira, mas sem ter tomado qualquer decisão sobre o local, enquanto corriam nos grupos de "whatsapp" dos centristas diversas opções, sendo que "o que vai decidir é o preço", como reconheceu à Renascença uma fonte centrista.

Para esta semana está prevista uma nova reunião da COC, para tomar então uma decisão definitiva, sendo que a actual direção tem mantido uma preferência pelo Multiusos de Lamego, no distrito de Viseu.

Lamego era o local onde estava previsto realizar-se o Congresso de 27 e 28 de Novembro, que acabou por ficar adiado para depois das legislativas, na sequência de um Conselho Nacional explosivo.

A outra opção é Guimarães e terá sido avançada pela estrutura distrital de Braga, liderada pelo também candidato à presidência do CDS Nuno Melo, que, recentemente, em entrevista ao programa "Hora da Verdade", da Renascença e do jornal Público, disse estar preocupado com os custos do próximo Congresso, deixando avisos à actual direção.

Tudo isto tendo em conta as dificuldades financeiras do partido, que sem representação parlamentar, após as eleições legislativas de janeiro fica sem direito a subvenção e, por isso, sem uma alternativa de financiamento.

Segundo fontes próximas do processo de organização do Congresso nas últimas semanas já surgiram mesmo outros locais como alternativa a Guimarães e Lamego. Uma dessas alternativas é Aveiro, cidade e distrito onde tradicionalmente o CDS costumava ter bons resultados eleitorais ou ainda Tomar, de onde é natural o secretário-geral do partido, Francisco Tavares.

A questão do local de realização do Congresso não é problema para Miguel Mattos Chaves, que se prepara para apresentar oficialmente a candidatura à liderança do partido na próxima semana.

À Renascença, o gestor e recente candidato do partido à presidência da câmara da Figueira da Foz, disse que lhe é "indiferente" o local onde irá realizar-se o Congresso, referindo mesmo que "não é o local que importa", reconhecendo que "estão em discussão vários lugares", mas que nenhum deles constitui "problema".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+