Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

MAS critica desinvestimento no SNS e injeções de dinheiro no Novo Banco

27 jan, 2022 - 23:27 • Lusa

Nas eleições legislativas de 2019, o MAS recolheu 3.331 votos, candidatando-se agora aos 22 círculos eleitorais.

A+ / A-

A porta-voz e cabeça de lista por Lisboa do Movimento Alternativa Socialista (MAS), Renata Cambra, defendeu que parte do dinheiro que tem faltado no Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a ser injetado no Novo Banco.

"Ontem [terça-feira] estivemos no Novo Banco a chamar a atenção para o buraco financeiro e isso está ligado com a ação que estamos aqui a fazer, porque o dinheiro que tem faltado para o SNS está a ser injetado, por exemplo, no Novo Banco", afirmou a candidata, numa ação de campanha à porta do Hospital Amadora-Sintra, onde também decorria o plenário de um sindicato da função pública.

Renata Cambra considerou que o "desinvestimento nos serviços públicos os torna mais frágeis, e permite que os mercados aproveitem essa fragilidade e transformem a saúde e a educação em negócios bastante lucrativos".

A candidata do MAS referiu que o desinvestimento no SNS "dura há décadas, mas agravou-se durante o Governo PSD/CDS-PP" acrescentando que "os últimos seis anos de geringonça não reverteram a situação".

"Portugal tem sido dos países da União Europeia (UE) que menos tem investido no SNS, e isso aconteceu mesmo durante a pandemia", disse Renata Cambra, acrescentando: "O investimento que existe hoje não serve sequer para compensar o desgaste natural do SNS só por si, muito menos para reforçar os seus meios materiais e humanos".

A cabeça de lista por Lisboa criticou as parcerias público-privadas de alguns hospitais, considerando-as "danosas" porque "deixam o lucro nos privados e tudo o que é prejuízo fica à responsabilidade do estado e do setor público".

Nas eleições legislativas de 2019, o MAS recolheu 3.331 votos, candidatando-se agora aos 22 círculos eleitorais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+