Tempo
|
A+ / A-

Nova sondagem dá vitória ao PSD. Chega assume o terceiro lugar

25 jan, 2022 - 09:01 • Olímpia Mairos

A maioria dos votos está agora à direita (46,8%), segundo a sondagem da Aximage. O PAN com 3,2% das intenções de votos pode fazer a diferença. A sondagem das sondagens da Renascença estima que, se as eleições fossem hoje, o PS venceria, sem maioria absoluta, com 36,12 dos votos.

A+ / A-

Se as eleições fossem esta terça-feira o PSD alcançaria 34,4% dos votos, mais seis décimas do que o PS que surge com 33,8% das intenções de votos.

De acordo com uma sondagem da Aximage para DN, JN e TSF, há uma outra mudança significativa a registar. A direita com 46,8% ultrapassa a esquerda que se fica pelos 46,3%.

O partido de André Ventura, apesar de uma pequena descida, assume o terceiro lugar com 8%. Já o Bloco de Esquerda, que também regista uma descida, fica com o quarto lugar com 6,6% dos votos.

A CDU permanece praticamente igual, com 4,5%, o PAN recupera e regista agora 3,2% de intenções de voto.

A Iniciativa Liberal baixa para 2,8%, o CDS tem 1,6% e o Livre regista 1,4%.

O inquérito da Aximage decorreu entre os dias 16 e 21 de janeiro de 2022 e recolheu 965 entrevistas entre maiores de 18 anos residentes em Portugal.

Neste momento, o agregador de sondagens da Renascença estima que, se as eleições fossem hoje, o PS venceria, sem maioria absoluta, com 36,12% dos votos.

De acordo com este modelo, disponível numa página interativa da Renascença, com atualização diária, o Partido Socialista segue na frente, com quatro pontos percentuais de avanço sobre o PSD, que soma 32,08% das intenções de voto estimadas.

O Chega fica na terceira posição, com 7,03%. Seguem-se o Bloco de Esquerda com 5,85%, CDU (5,04%), Iniciativa Liberal (4,15%), PAN (2,03%) e CDS (1,68%).

O que é e como funciona o agregador de sondagens da Renascença?
O que é e como funciona o agregador de sondagens da Renascença?
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge
    27 jan, 2022 Lisboa 19:59
    impressionante como as pessoas têm memória curta, e pouco interesse em informação... esqueceram-se que TODOS os governos dos laranjas até hoje só trouxeram aumentos de impostos todos eles, os maiores défices, os maiores cortes de sempre, destruição do ensino, introdução de propinas no ensino público há muitos anos, taxas moderadoras em hospitais públicos idênticas às de um hospital particular, desemprego sem precedentes convidando os nossos conterrâneos a emigrar como solução, tendo mesmo sido alvo de debate a redução do ordenado mínimo nacional e esteve quase para ser promulogado quando era uma miséria, não só não cumprindo nada do que era o programa eleitoral, como ainda fizeram exactamente o contrário e agora, depois de um orçamento chumbado em que foram os principais intervenientes, ainda se desdizem , e eu assisti e vi pelo menos duas vezes o actual líder dos laranjas no canal parlamento a afirmar isso e quem quiser que procure, que eram e foram sempre contra o aumento do ordenado mínimo nacional, dizendo esse mesmo "líder" exactamente o contrário, e ainda afirmando que o ainda primeiro ministro mente, e que o está a difamar. Depois, brincam com palavras dizendo que temos a maior carga fiscal de sempre, e aí convido-os a entender exactamente o que isso significa. Carga fiscal, é independente das taxas de impostos. Podemos ter a maior carga fiscal do mundo, e os impostos mais baixos do planeta. e os nossos baixaram, assim como como nunca a nossa economia cresceu tanto
  • Joca
    26 jan, 2022 Porto 10:28
    Não vale a pena pensar nas sondagens! O que importa é pensar no país, nas famílias, nos amigos, no que nos rodeia. Os socialistas prometem isto, e realmente fazem, mas apenas para os deles! As famílias deles... o país deles... os amigos deles... Depois batem em tudo e todos que não sejam deles! És comunista, informam os Russos! És da extrema direita, ilegalizamos o teu partido! És contra a subida do salario mínimo, és um canalha! És contra a subida dos impostos, és um burro a matemática! Contas feitas, com os socialistas tudo se faz, mas ninguém sabe porquê, nem qual o resultado! Agora perguntem porque motivo estamos numa europa em que é bom viver em todos os países, exceto em Portugal!?
  • A peste grisalha
    25 jan, 2022 Eleições à vista 09:33
    A par do abandono da Educação, nas propostas eleitorais dos diversos partidos - relambório de blá-blá que todo espremido não deita sumo, não é falar em Educação - também se assiste a falta de atenção aos problemas da população idosa. Falam muito - só falam - em manter os jovens qualificados, em emprego para a população jovem, jovem para cá, jovem para lá, mas pouco é dito sobre a população idosa. Parecem esquecer que hoje há 182 idosos por cada 100 jovens, e que se em termos de mercado de trabalho é melhor pensar na população jovem, em termos de eleições é melhor pensar também na população idosa. É que os votos da "peste grisalha" como alguém em tempos os designou - e pagou bem caro por isso, ele e o partido dele - são mais do que os dos jovens... Pensem nisso.

Destaques V+