Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

legislativas 2022

A campanha nas redes. “É o tempo das sondagens e importa lembrar que 'likes' não são votos”

24 jan, 2022 - 21:15 • Joana Gonçalves

A poucos dias das eleições, a luta pelos lugares cimeiros da corrida eleitoral domina o debate político nas redes.

A+ / A-

Veja também:


No arranque da última semana de campanha, a força dos partidos também se mede nas redes sociais e, por enquanto, os “resultados são ambíguos”, avança Gustavo Cardoso, investigador do Media Lab do ISCTE.

“Por um lado, no top dos líderes do Facebook, temos André Ventura e António Costa e, muito longe, temos Catarina Martins, Rui Rio, Cotrim Figueiredo e Rodrigues dos Santos. Mas, se olharmos para o top dos partidos no Facebook, aquilo que verificamos é a liderança por parte do Chega, o PS e o PSD empatados e, depois, IL,PAN e PCP”, explica o académico.

Esta semana, pela primeira vez desde o anúncio de eleições antecipadas, o PSD superou o PS nas intenções de voto, estimadas numa sondagem. Uma corrida que parece não conseguir ganhar nas redes sociais.

“Toda a atividade política começa, agora, a ser dominada pela ideia de saber quem vai à frente, quem vai atrás e quem termina em primeiro lugar. É o tempo das sondagens, mas importa, acima de tudo, lembrar que 'likes' não são votos e que estar bem nas redes sociais não quer dizer que se vai ganhar as eleições”, esclarece Gustavo Cardoso. “Não há certezas sobre nada no Facebook."

Distinto é o que acontece no Twitter, “o espaço onde todos os portugueses que queriam ser comentadores políticos ou jornalistas interagem”.

Neste “microcosmos”, a conversa foi dominada, no fim de semana, por “uma combinação muito pouco comum” entre humor e Orçamento do Estado. Em causa esteve a vista de Rui Rio ao programa de Ricardo Araújo Pereira, na SIC.

Já no Instagram, é a Iniciativa Liberal que lidera a discussão, desta vez com Cotrim Figueiredo próximo de Inês Sousa Real, numa rede onde o polígrafo é arma e escudo de defesa, sem grandes resultados.

"Todos os partidos têm feito uso do mesmo tipo de comunicação: usar o polígrafo para verificar afirmações falsas e verdadeiras dos diferentes líderes, mas, como estão todos a fazer o mesmo, não serve de grande coisa, serve apenas para manter os já apoiantes”, defende o investigador.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+