Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022. Dirigente comunista João Oliveira votou antecipadamente em Évora

23 jan, 2022 - 12:01

Oliveira está recenseado pelo círculo eleitoral de Setúbal, mas escolheu votar antecipadamente em Évora por uma questão de compatibilidade familiar.

A+ / A-

Veja também:


O dirigente comunista João Oliveira votou este domingo antecipadamente nas eleições legislativas, na cidade de Évora, e disse que escolheu esta data para demonstrar que é possível votar em segurança e ao mesmo tempo combater a abstenção.

O membro da Comissão Política do Comité Central do PCP chegou pelas 8h40 à Arena d'Évora. Dirigiu-se para a secção de voto número dois e três minutos depois já tinha colocado o boletim de voto na urna.

João Oliveira está recenseado pelo círculo eleitoral de Setúbal, mas escolheu votar antecipadamente em Évora por uma questão de compatibilidade familiar. No entanto, o voto do líder parlamentar do PCP vai ser contabilizado pelo círculo eleitoral onde está recenseado e não em Évora.

Em declarações aos jornalistas, o líder parlamentar do PCP disse esperar que “este dia de voto antecipado possa correr com tranquilidade e com a participação correspondente” ao número de pessoas que se inscreveram.

Um total de 315.785 eleitores inscreveram-se para votar antecipadamente em mobilidade hoje nas eleições legislativas, de acordo com os dados finais divulgados pelo Ministério da Administração Interna (MAI) na sexta-feira.

“A utilização da possibilidade do voto antecipado é uma das soluções para que as pessoas possam participar no ato eleitoral sentindo-se tranquilas e seguras relativamente ao exercício do direito de voto”, completou.

João Oliveira sustentou que votar hoje ou no domingo é “uma escolha de cada um”, mas a expectativa é ver a população “empenhada” em participar no sufrágio.

Votar antecipadamente, continuou, “é mais complexo do que o habitual, porque há vários cadernos eleitorais em função dos concelhos onde as pessoas estão recenseadas”. Contudo, João Oliveira disse que a votação decorreu sem problemas e “ao longo do dia vai-se tornando mais fácil, porque vai haver mais experiência de quem está nas mesas de voto”.

“A estas horas da manhã é sempre mais difícil, porque ainda está a começar”, acrescentou.

O dirigente comunista também recusou a ideia de que estivesse a dar o exemplo, justificando que “não é preciso dar o exemplo a ninguém” e que os portugueses têm dois dias para escolher como exercer o direito de voto, em função das circunstâncias pessoais e profissionais de cada um.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+