Tempo
|
A+ / A-

Legislativas

Rio reage ao Debate da Rádio. Costa e o PS "não querem reformar nada"

20 jan, 2022 - 13:23 • André Rodrigues

Líder do PSD não esteve no Debate da Rádio, mas diz ter ouvido uma parte enquanto se despachava para ir fazer campanha na rua, em Bragança. E deixa alguns comentários.

A+ / A-

Veja também:


O líder do PSD, Rui Rio, faltou e também não ouviu o Debate da Rádio, promovido esta quinta-feira pela Renascença, TSF e Antena 1. Ou, pelo menos, não na totalidade.

Mas o candidato a primeiro-ministro disse aos jornalistas, no final de uma ação de rua em Bragança, que reteve o momento em que António Costa recusou um entendimento com o PSD para uma revisão constitucional.

Para Rio, a resposta do seu adversário é um sinal de que Costa e o PS "não querem reformar nada".

O líder do PSD insiste que há "vários setores enquistados na sociedade" que necessitam de reformas, apenas possíveis com o acordo entre os dois principais partidos.

“Temos de ter coragem, o PS não quer? Se o PS não quer, que pelo menos dentro do PS haja quem queira, e provoque alguma turbulência e acabemos por ter um PS com uma atitude mais reformista”, disse.

“Sem essa atitude, não mudamos o país", rematou Rio.


Maioria absoluta sem abusos de poder?

Rui Rio apontou, por outro lado, o que disse ser o desnorte de António Costa quando pede uma maioria absoluta que, para o líder do PSD, é, aliás, um não assunto, dada a probabilidade "praticamente nula" desse cenário acontecer.

Questionado sobre a insistência do líder socialista em pedir uma maioria absoluta, garantindo que isso não constituirá um abuso de poder, porque o Presidente da República não o permitiria, Rio aponta uma "contradição".

"Está a dizer que Mário Soares falhou com Cavaco Silva e que Jorge Sampaio e Cavaco Silva falharam com José Sócrates (...) não está a medir bem o que está a dizer", criticou.


"É de outra família política". Costa confia que Marcelo não deixará maioria do PS "pisar o risco"
"É de outra família política". Costa confia que Marcelo não deixará maioria do PS "pisar o risco"

CDS na defesa? Rio admite essa possibilidade

A terminar, a questão da governabilidade e projetando um cenário de maioria de direita, caso o PSD vença as eleições.

Em resposta à entrega da pasta da defesa ao CDS, tal como reclama Francisco Rodrigues dos Santos, Rui Rio abre a porta a essa possibilidade.

"É uma questão de se ver, não seria a primeira", admitiu, insistindo, aliás, que os centristas serão os primeiros com quem irá falar, caso vença a 30 de janeiro.

Quanto ao diálogo com a Iniciativa Liberal? “É um partido novo e que pode vir a ter ou não uma representação parlamentar significativa”.

Quanto ao diálogo com a Iniciativa Liberal? "É um partido novo e que pode vir a ter ou não uma representação parlamentar significativa".


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+