Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

​Rui Rio diz estar mais perto agora de vencer as legislativas

14 jan, 2022 - 14:31 • Redação com Lusa

Líder do PSD considera ainda que foi o vencedor do frente-a-frente com António Costa.

A+ / A-

O líder do PSD Rui Rio considera que está agora mais perto de vencer as legislativas.

Rui Rio falava aos jornalistas no final de uma visita a uma empresa da área digital em Torres Novas, distrito de Santarém. Rio diz que, ouvindo as pessoas na rua, “a perceção é que efetivamente o ritmo de crescimento em que o PSD está desde há uns dois ou três meses para cá, permiti-me achar que a probabilidade de ganhar é maior do que a probabilidade de não ganhar”.

O líder social-democrata afirmou ainda estar convencido de que venceu o debate que teve com António Costa na quinta-feira à noite, salientando as "notórias dificuldades" do atual primeiro-ministro nesse frente-a-frente.

Para Rui Rio, "a prova mais evidente é que tentou arranjar uma polémica em torno da classe média, porque ele tem noção exata que o setor da sociedade que está mais contra a governação do PS é precisamente a classe média".

"A classe média é a que tem levado mais pancada com a governação do PS, desde sempre (...), mas particularmente nestes seis anos", disse, acusando António Costa de ter reduzido a classe média e transformado uma parte "em uma franja de pessoas mais desfavorecidas".

Rio voltou a referir os valores do salário médio, pouco acima dos mil euros, e da mediana salarial, da ordem dos 900 euros, para frisar que a classe média, aquela cuja robustez caracteriza os países desenvolvidos, "é fraca" em Portugal.

"Ele sente isso. Ele percebe isso e tentou inventar ali uma rábula em torno da classe média, porque percebeu que, no debate, não conseguiu vincar grandemente as suas opções, ou se conseguiu elas não convencem os portugueses face aos seis anos que ele tem de governo", acrescentou.

Rio esclareceu ainda que o que consta no seu programa sobre o acesso ao Serviço Nacional de Saúde quer "dizer mais ou menos a mesma coisa" que o que consta na Constituição, salientando que podia lá estar "tendencialmente gratuito", em vez da fórmula de que "ninguém pode deixar de ser tratado por falta de meios financeiros".

"Vai dar tudo mais ao menos ao mesmo", disse, afirmando que António Costa "tentou criar ali um caso", pois "tem uma equipa a trabalhar para ele [que] andou com uma lupa a ver os documentos todos que o PSD anunciou, a ver se na linha 38 da página 24 consegue apanhar alguma coisa. Não conseguiu grande coisa, conseguiu isto".

O presidente do PSD reafirmou o convencimento de que, no debate, conseguiu "explicar de uma forma positiva" aquilo que pretende para o país.

"Acho que ganhei o debate, mas não sou assim tão triunfalista, não sou fanfarrão para estar agora aqui a dizer 'ganhei, ele perdeu tudo'. Eu acho que sim, mas não é isso que é importante", declarou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sara
    14 jan, 2022 Lisboa 20:41
    PSD amigo dos ricos prejudica os que trabalham para os ricos, ps amigo dos pobres, os que não fazem nada e os que andam aqui por andar prejudicando os que trabalham, be só populismo, CDs os reguilas associativos, CDU defensor dum país pobre para beneficiar alguns e chega, cumpridores?, Não haverá por aí alguém normal e sem interesses ?

Destaques V+