Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

Mesmo que ganhe, Rio antecipa regresso da geringonça com Pedro Nuno Santos

13 jan, 2022 - 22:57 • Lusa

“A probabilidade de voltar a haver uma 'geringonça' e voltar a governar quem não ganhou as eleições volta a colocar-se em cima da mesa, porque o entendimento de Pedro Nuno Santos com o BE é um entendimento ainda mais fácil do que o entendimento de António Costa”, sustentou o líder do PSD.

A+ / A-

O presidente social-democrata, Rui Rio, considera que Pedro Nuno Santos é o candidato mais provável a próximo secretário-geral do PS e que isso poderia significar uma reedição da “geringonça”, mesmo que o PSD vença as eleições.

Em declarações aos jornalistas no final do debate com o secretário-geral socialista, António Costa, transmitido pelas três televisões generalistas de sinal aberto, no âmbito das eleições legislativas, Rio disse que a pessoa mais provável de suceder a António Costa em caso de vitória do PSD nas urnas é Pedro Nuno Santos, considerando que tudo aparenta que seja o que “tem mais hipóteses” de alcançar aquela posição.

No entanto, este cenário não só seria contraproducente para uma negociação entre um PSD vencedor das eleições e o PS, já que Pedro Nuno Santos “é mais à esquerda” do que António Costa, como também poderia significar uma repetição dos eventos de 2015.

“A probabilidade de voltar a haver uma 'geringonça' e voltar a governar quem não ganhou as eleições volta a colocar-se em cima da mesa, porque o entendimento de Pedro Nuno Santos com o BE é um entendimento ainda mais fácil do que o entendimento de António Costa”, sustentou.

O raciocínio que fez “é plausível”, assegurou o líder dos sociais-democratas, “mesmo ganhando o PSD”.

Em 2015, a coligação Portugal à Frente (PàF), composta por PSD e CDS-PP, venceu as eleições legislativas com 36,86% dos votos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+