Tempo
|
A+ / A-

Rui Moreira quer subsídio estatal para captar companhias aéreas para o Porto

27 dez, 2021 - 21:46 • Lusa

Rui Moreira respondia a um repto lançado pelo deputado municipal Raul Almeida, do movimento que apoia o independente, que mencionou o facto de o Porto e o Norte ter sido o destino turístico mais procurado do país e mostrou a sua preocupação em relação a "toda uma economia que gira em volta disto, toda uma economia que está ancorada em volta do aeroporto Francisco Sá Carneiro, em que o Porto é uma centralidade".

A+ / A-

O presidente da Câmara do Porto defendeu hoje, em Assembleia Municipal, que o Estado deve atribuir um subsídio semelhante ao que é dado às Regiões Autónomas para captar companhias aéreas para o aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Depois de a presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, ter afirmado, em entrevista ao Público, que o Porto "nunca será" um segundo "hub" para a companhia aérea, Rui Moreira reclamou uma compensação financeira, lembrando que o Estado investe "anualmente 100 milhões de euros a subsidiar voos para os Açores e para a Madeira".

"Seria relevante que o Porto -- não posso falar por Faro -- reclamasse, pelo menos, um montante equivalente, até porque a nossa Área Metropolitana é muito maior, não tem é o problema da insularidade", advogou.

O autarca referiu que já deu "os parabéns ao senhor ministro Pedro Nuno Santos por conseguir aprovar o plano de reestruturação da TAP" e citou declarações do ministro das Infraestruturas e Habitação em que, disse Rui Moreira, ficou "absolutamente claro" que "a importância da TAP é para o "hub" de Lisboa, que a manutenção da TAP se deve ao "hub" de Lisboa, e que é assim que esta TAP, ou "Tapinha", como quiserem, vai funcionar".

Numa altura de crise em que várias companhias abandonaram a sua operação no aeroporto Francisco Sá Carneiro, importa captar novas rotas, realçou o presidente da Câmara: "Se a TAP não o quer fazer, ou não o vai fazer -- é um pouco irrelevante fazer a análise psicológica desta questão, (...) acho que a TAP é a última companhia colonial a existir em Portugal, mas não é isso que conta -- temos de encontrar outros", disse.

E prosseguiu, frisando que, "para encontrar outros, é preciso uma migalha daquilo que é gasto para manter o "hub" de Lisboa".

"Não queremos "hub" nenhum, queremos ter um aeroporto Francisco Sá Carneiro que seja servido, não apenas para turistas, mas para toda a atividade económica que precisamos de atrair", atirou.

Rui Moreira respondia a um repto lançado pelo deputado municipal Raul Almeida, do movimento que apoia o independente, que mencionou o facto de o Porto e o Norte ter sido o destino turístico mais procurado do país e mostrou a sua preocupação em relação a "toda uma economia que gira em volta disto, toda uma economia que está ancorada em volta do aeroporto Francisco Sá Carneiro, em que o Porto é uma centralidade".

"Mas isto não é aeroporto do Porto, é o aeroporto que, estando no Porto, serve todo o Norte do país e dá ao Porto uma inequívoca capitalidade em termos do Noroeste peninsular", lembrou.

Das restantes bancadas municipais, apenas a CDU se debruçou sobre o tema, já no fim da discussão.

A deputada Joana Rodrigues concordou que "a gestão da TAP deve assegurar a cobertura nacional, e não apenas do aeroporto de Lisboa", e que "Portugal necessita de uma TAP cuja orientação e dimensão tem de dar uma efetiva resposta à coesão territorial e à ligação às Regiões Autónomas e às comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo".

Considerou, por outro lado, que "cabe ao país, e não à União Europeia, decidir sobre a viabilidade e o futuro das suas empresas".

Da bancada comunista veio também a rejeição do "sentimento que por vezes existe de que mais vale se calhar desistir da empresa".

"Isso acaba por ser um camuflar um problema que existe e transferir meios e recursos diretamente para os privados. Isso a nosso ver não é defender o Porto, nem a descentralização, é contribuir para lucros dos privados, concentração em companhias estrangeiras e maior dependência do país", defendeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+