Tempo
|
A+ / A-

Van Dunem diz que não será ministra da Justiça num próximo Governo

19 nov, 2021 - 08:26 • Lusa

Ministra fala ainda de uma suposta remodelação do Governo, contrariando as afirmações do primeiro-ministro, António Costa, em setembro.

A+ / A-

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, revelou que não fará parte do próximo Governo se o Partido Socialista (PS) ganhar as eleições e António Costa assumir a função de primeiro-ministro.

"Eu já estava neste Governo até final da Presidência portuguesa da União Europeia, era a combinação que tínhamos. Porque era suposto que houvesse uma remodelação a seguir", afirmou ao jornal Público.

A presidência portuguesa do Conselho da União Europeia decorreu entre 1 de janeiro e 30 de junho. Estas declarações da ministra da Justiça contrariam afirmações do primeiro-ministro, António Costa, em setembro, nas quais afastava qualquer remodelação do seu Governo.

Questionada pelo jornal sobre a sua decisão de não assumir nenhum cargo num próximo Governo, Francisca Van Dunem disse: "Acho que sou neste momento a pessoa que mais tempo esteve na pasta da justiça".

"Temos de dar lugar a outras pessoas. E depois o meu lugar não é aqui, a minha profissão não é esta. Acho que tenho de ir para o meu lugar", sublinhou.

"Só estive num lugar mais tempo do que este, que foi na Procuradoria-Geral da República, nove anos. Sempre estive cinco/seis anos no mesmo lugar porque chega uma altura em que já não temos capacidade de ver de fora, e isso é importante. Quando ficamos no mesmo núcleo, falamos entre nós, não há respiração. E isto é uma democracia. Tem que vir para cá outra pessoa. Vim na altura porque achei que era uma proposta importante, trabalhar com António Costa, confiava nele, e achei que era um projeto de trabalho interessante", disse.

Francisca Van Dunem esteve no gabinete do procurador-geral da República entre 1999 e 2001 e, entre outros cargos, foi procuradora-geral distrital de Lisboa de 2007 até integrar o Governo de António Costa em 2015.

Em setembro, o primeiro-ministro afastou qualquer remodelação do seu Governo na sequência das eleições autárquicas, contrapondo que remodelações acontecerão entre os autarcas, mas foi enigmático quando disse que "refrescar" acontece com o período de inverno.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Julio Neto Marques
    20 nov, 2021 Cascais 13:32
    Finalmente uma boa notícia!!!
  • Ana
    19 nov, 2021 A 14:09
    Se há coisa que não funciona em Portugal é a justiça. Precisamos de alguém competente neste cargo...
  • Elsa
    19 nov, 2021 Carcavelos 10:49
    E a falta que vai fazer....
  • Jorge Sousa
    19 nov, 2021 Rio Tinto 08:56
    Puderes, antes de sair do Governo tratou de se aumentar - e aos seus correligionários - em 700 euros/mês!

Destaques V+