Tempo
|
A+ / A-

Marcelo promulga com reservas decreto de extinção do SEF

07 nov, 2021 - 01:00 • Lusa

Presidente da República considera que há "matérias muito relevantes" que ainda vão ser definidas por decreto-lei de execução e promete estar atento.

A+ / A-

O Presidente da República promulgou no sábado à noite, com reservas, o decreto do parlamento de extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), remetendo a sua apreciação decisiva para posteriores decretos de execução do Governo.

A promulgação deste decreto por Marcelo Rebelo de Sousa foi anunciada através de uma nota publicada no site oficial da Presidência da República.

Este decreto, com origem numa proposta do Governo, foi aprovado em votação final global em 22 de outubro com votos a favor de PS, BE e da deputada não inscrita Joacine Katar Moreira e votos contra de PSD, PCP, CDS-PP, PAN, PEV, Chega, Iniciativa Liberal e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues, e seguiu para promulgação em 25 de outubro.

"Correspondendo, no essencial, a cumprimento do previsto no Programa do Governo, quanto à repartição das atribuições de natureza policial, o decreto submetido a promulgação remete para decreto-lei de execução matérias muito relevantes", começa por apontar o chefe de Estado.

Na nota divulgada perto da meia-noite, Marcelo Rebelo de Sousa refere-se especificamente à "caracterização jurídica da Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA) - definida como serviço administrativo, num preceito, e da administração indireta do Estado, noutro, mas ficando por esclarecer se dispõe ou não de personalidade jurídica".

O Presidente da República adverte também que está por definir, no decreto do parlamento, "a concreta composição e operacionalidade do órgão consultivo que junto dela [APMA] funciona, e, sobretudo, a coordenação entre a APMA e as diversas entidades policiais e delas entre si".

"Idêntica é a interrogação acerca da situação do pessoal do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) a transferir para a APMA, até à criação desta, se ela ultrapassar o prazo estabelecido para a entrada em vigor do diploma. Quer isto dizer que o decreto agora em análise vai depender, de forma significativa, daquele ou daqueles decretos-leis que o vierem a aplicar", acrescenta.

Marcelo Rebelo de Sousa afirma que decidiu promulgar este decreto "atendendo ao contexto vivido, bem como que é como que um diploma de enquadramento, mas reservando-se para apreciação decisiva relativamente ao decreto-lei ou decretos-leis da sua execução".

Contactado pela Renascença, o presidente do Sindicato dos Inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras promete para mais tarde uma posição sobre a promulgação da lei que extingue o SEF. “O assunto merece uma maior reflexão”, disse Acácio Pereira.

[notícia atualizada às 9h00 de dia 7]
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+