Tempo
|
A+ / A-

Ana Catarina Mendes. "Há muitos portugueses que estão hoje tristes"

27 out, 2021 - 20:15 • Lusa

Líder parlamentar do PS reage ao chumbo da proposta de Orçamento do Estado para 2022.

A+ / A-

A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, disse hoje estar "triste" com o "chumbo" do Orçamento do Estado para o próximo ano e a legislatura ser interrompida, considerando que "há muitos portugueses" que partilham esse sentimento.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, logo após o debate e a votação da proposta de orçamento na generalidade, a socialista disse que lamenta "imenso que tenha sido chumbado".

"Disse lá dentro as razões pelas quais acho que este orçamento não deveria ter sido chumbado, agora entramos numa nova fase", frisou.

A líder do Grupo Parlamentar do PS considerou que "há muitos portugueses que estão hoje tristes" com o desfecho do processo orçamental e a possibilidade de eleições antecipadas.

"Tal qual eu estou triste por este ciclo não se ter completado e por não ter sido possível completar esta legislatura", afirmou.

Na opinião de Ana Catarina Mendes, "o que estava em cima da mesa não eram questões orçamentais, eram questões laterais que podiam ter sido trabalhadas noutra sede".

"Os nossos parceiros à esquerda sabiam-no, fizeram a sua escolha e agora vamos para o próximo momento", salientou ainda.

O parlamento "chumbou" hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) com os votos contra do PSD, BE, PCP, CDS-PP, PEV, Chega e IL.

Na votação na generalidade, no plenário da Assembleia da República, o PS foi o único partido a votar a favor da proposta orçamental, que mereceu as abstenções do PAN e das duas deputadas não inscritas, Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    28 out, 2021 Lisboa 09:58
    Eu diria mais, "Revoltados" do que "tristes". Enquanto vocês classe política andam por aí a brincar aos jogos de Poder, 2 Milhões de pobres e com mais um milhão a caminho, sentem diariamente na pele, os problemas da pobreza. Enquanto a Juventude mais bem preparada de sempre se vê recambiada para uma precariedade perpétua e sem perspetivas a não ser que emigrem, a classe politica eleita por nós, anda a gozar com isto tudo. Mas talvez as Eleições sejam um Bem, afinal de contas: com a subida maciça do Chega! e um possivel governo ter de se entender com o André Ventura para ter maioria na AR, pode ser que se deixem de joguinhos e comecem a pensar mais em quem vos elegeu para estarem aí.
  • EU
    27 out, 2021 PORTUGAL 20:44
    É verdade Senhora Deputada. EU, estou triste, muito triste. E estou triste porquê? Estou à espera de uma consulta da especialidade de OFTALMOLOGIA há /- QUATRO ANOS num Centro Hospitalar deste País. Estou triste porque há um mês que pedi uma receita médica para poder dar a vacina da gripe, repetindo o pedido por DUAS VEZES e até agora nada. Estou triste porque hoje no final da votação do OE, desloquei-me à farmácia para dar a vacina, prontificando-me a pagar a totalidade e não puderam satisfazer o meu pedido. Estou triste porque hoje fiquei a saber que o OE se aprovado fosse, esses problemas deixavam de ser problemas. Mas estou triste também porque a partir de agora não vou ver o que gosto de ver. Se estivesse nas minhas mãos, os Portugueses deixavam de estar tristes. Acredite que lhe estou a dizer isto com uma grande tristeza, pois não gosto de ver o meu semelhante triste. É, sem dúvida, uma grande tristeza. Só espero que esta tristeza não me leve à LOUCURA.

Destaques V+