A+ / A-

OE 2022

Catarina Martins diz que Governo “talvez queira” uma crise política

26 out, 2021 - 11:46 • Lusa

Líder bloquista disse não compreender “porque é que o PS não quer uma solução para este Orçamento do Estado”.

A+ / A-

A coordenadora do BE acusou o PS de não querer uma solução para o Orçamento do Estado, considerando que o Governo “talvez queira” uma crise política e eleições antecipadas, o que será “uma tremenda irresponsabilidade”.

“Porque é que o Governo diz que não a propostas tão sensatas, tão ponderadas, tão fundamentais? O Governo quer uma crise política? Talvez queira. É de uma enorme irresponsabilidade”, respondeu aos jornalistas Catarina Martins a propósito do impasse no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), à margem da manifestação pelo direitos e regulamentação do Estatuto do Cuidador Informal que decorre hoje em frente ao parlamento, em Lisboa.

A líder do BE disse não compreender “porque é que o PS não quer uma solução para este Orçamento do Estado”.

“Eu não consigo compreender qual é a estratégia do Governo, a não ser querer eleições antecipadas e eu acho isso de uma tremenda irresponsabilidade, mas o Bloco de Esquerda aqui está hoje, amanhã, em todos os dias, para construir soluções”, criticou.

Independentemente da posição do Governo do PS, Catarina Martins tem uma certeza: “Há muitos socialistas neste país que também querem soluções”.

A partir das 15h00, arranca na Assembleia da República o debate na generalidade da proposta de Orçamento de Estado para 2022.

Se os partidos mantiverem o sentido de voto anunciado, a proposta de Orçamento deverá ser chumbada na quarta-feira logo na generalidade com os votos contra do PSD, Bloco de Esquerda, PCP, CDS-PP, PEV, Iniciativa Liberal e Chega, tendo os votos a favor apenas do PS e as abstenções do PAN e das deputadas não inscritas Joacine Katar-Moreira e Cristina Rodrigues.

Com este cenário, o Presidente da República já anunciou que irá dissolver o Parlamento, precipitando a organização de eleições antecipadas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lv
    26 out, 2021 Loures 13:53
    A maior traidora do País e de quem trabalha , erradicação desta seita de inuteis da cena política...
  • José J C Cruz Pinto
    26 out, 2021 ILHAVO 12:35
    Trata-se aqui, evidentemente, de um "chupa-chupa" que o pai considera excessivamente caro e incomportável. [Mas o "puto" quer é o chupa-chupa", desculpando-se até que não é só para si, mas para si e todos os amigos. E por isso é que ele tem de ser bem grande, ... pelos vistos, igual ou maior que o manguito.]
  • José J C Cruz Pinto
    26 out, 2021 ILHAVO 12:00
    Não é bem, ... mas é quase como um "puto guloso" dizer ao pai que lhe recusou um chupa-chupa que ele é o culpado do clamor e birra que se vai seguir. [Nesse caso, contudo, seria muito mais fácil, pois bastaria um bom par de estalos, para tudo se resolver - o que, infelizmente, não será o caso.]

Destaques V+