Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

OE2022. PSD "está preparado" para legislativas antecipadas que devem ser rápidas, diz Mota Pinto

25 out, 2021 - 17:53 • Lusa

O presidente da Mesa do Congresso e do Conselho Nacional do PSD diz que esta crise “revela que esta fórmula de Governo do PS, ancorado no apoio do PCP e do BE, é uma solução que não só não trazia desenvolvimento e crescimento económico, mas além disso é uma solução incapaz de garantir estabilidade".

A+ / A-

O dirigente do PSD Paulo Mota Pinto defendeu esta segunda-feira que o partido “está preparado" para eleições legislativas antecipadas, responsabilizou PS, BE e PCP pela eventual crise política, e defendeu que as legislativas devem ocorrer “o mais rapidamente possível”.

Em declarações à Lusa, o presidente da Mesa do Congresso e do Conselho Nacional do PSD não quis pronunciar-se sobre os calendários internos do partido, mas disse discordar da visão de que ter umas diretas marcadas para muito perto - 4 de dezembro - de eventuais legislativas possa beneficiar o partido.

“Parece-me claro que entre a perceção no eleitorado de divisão interna e de falta de unidade, por um lado, e, por outro lado, a legitimação, a primeira é aquela que marca mais”, defendeu, dizendo haver precedentes de outros partidos que mudaram de líderes “pouco antes de eleições” e as perderam.

Questionado sobre a probabilidade de uma crise política, com o "chumbo" anunciado do Orçamento do Estado para 2022 na quarta-feira, Paulo Mota Pinto começou por salientar que a direção do PSD “já tinha antecipado esta possibilidade séria”.

“Revela que esta fórmula de Governo do PS, ancorado no apoio do PCP e do BE, é uma solução que não só não trazia desenvolvimento e crescimento económico, mas além disso é uma solução incapaz de garantir estabilidade”, afirmou, apontando um “esgotamento” desta fórmula governativa.

Por outro lado, defendeu, “a responsabilidade desta situação é, em primeiro lugar do PCP e do BE, que provocarão a reprovação do Orçamento, mas também, em igual medida, do PS, que colocou o país na dependência do acordo desses partidos para governar”.

“O PSD está preparado para eleições antecipadas, vem-se a preparar há bastante tempo, tem um programa, esta direção criou uma estrutura, o Conselho Estratégico Nacional, que integra centenas de pessoas e já produziu muitas páginas de propostas”, disse.

Paulo Mota Pinto defendeu ainda que “o PSD já foi responsável por evitar a maioria absoluta do PS em 2019” e disse concordar “com o diagnóstico do Presidente da República que, a terem lugar, as eleições devem ser o mais rapidamente possível para esclarecimento da situação”.

Questionado se o calendário interno do PSD pode ou não dificultar a campanha do partido nas legislativas, Mota Pinto disse não querer comentar as diretas, mas salientou que “quem alertou para a irresponsabilidade de aventureirismo de abrir já o processo eleitoral tinha razão”, numa referência ao presidente do PSD e recandidato ao cargo, Rui Rio.

“No Conselho Nacional, houve pessoas que não acreditaram neste cenário e disseram que era teatro, outras talvez acreditassem, mas queriam muito eleições e viram talvez uma oportunidade de tentar chegar ao poder o mais rapidamente possível”, afirmou.

Questionado se poderá haver nova tentativa de alterar o calendário eleitoral interno num novo Conselho Nacional, Mota Pinto recusou pronunciar-se sobre este tema.

Em 14 de outubro, o Conselho Nacional do PSD chumbou (com 71 votos contra e 40 a favor) uma proposta da direção para suspender a marcação do calendário eleitoral interno, proposto na véspera pela própria Comissão Política Nacional, e avançou para a marcação de eleições diretas em 04 de dezembro e congresso entre 14 e 16 de janeiro.

Até agora, há dois candidatos à liderança, Rui Rio e o eurodeputado Paulo Rangel, que tem defendido que, a haver eleições antecipadas no país, o líder do PSD ganha em ir legitimado com uma vitória nas diretas no partido, que ocorrem dentro do calendário ordinário (de dois em dois anos).

O tema deverá marcar a campanha eleitoral interna se se confirmar o ‘chumbo’ do Orçamento do Estado para 2022 já na votação na generalidade, que o Presidente da República reiterou hoje que conduzirá a um cenário de dissolução do parlamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+