Tempo
|
A+ / A-

Conselho Nacional do PSD para analisar autárquicas e marcar diretas será em Lisboa em outubro

28 set, 2021 - 23:16 • Lusa

Será o primeiro Conselho Nacional do PSD sob a liderança de Rui Rio a realizar-se na capital, depois da vitória autárquica do social-democrata Carlos Moedas, no domingo, neste concelho.

A+ / A-

O Conselho Nacional do PSD vai reunir-se em meados de outubro, em Lisboa, para analisar os resultados das eleições autárquicas de domingo e marcar as diretas e o Congresso do partido.

O tema fez parte da reunião desta terça-feira à tarde da Comissão Política do partido, que apontou 14 de outubro como a data mais provável e Lisboa como local fechado, sendo este o primeiro Conselho Nacional do PSD sob a liderança de Rui Rio a realizar-se na capital, depois da vitória autárquica do social-democrata Carlos Moedas, no domingo, neste concelho.

Na reunião da direção, segundo relatos feitos à Lusa, foi feito um balanço sobre o resultado autárquico - positivo, tal como na noite eleitoral -, mas não se debateu uma eventual recandidatura de Rui Rio à presidência do partido.

Na madrugada de segunda-feira, Rio considerou que o partido teve “um excelente resultado”, que o coloca em “melhores condições de vencer as eleições” legislativas de 2023, mas não quis ainda confirmar se será recandidato à liderança do PSD, para não misturar temas da vida interna com as autárquicas.

O PS venceu as autárquicas de domingo com 149 câmaras (148 sozinho e uma em coligação) e o PSD conquistou 114 autarquias (72 sozinho e 42 em coligação), melhorando os resultados das autárquicas de 2013 e de 2017, e com a vitória dos sociais-democratas em Lisboa, Coimbra, Portalegre ou Funchal.

Esta terça-feira, num artigo no jornal Público, o eurodeputado Paulo Rangel defendeu igualmente que “não é ainda o tempo” da clarificação ou debate interno no PSD, mas de fazer “uma análise fina e detalhada” dos resultados autárquicos

“A seu tempo, virá o ciclo eleitoral normal do PSD e, aí sim, cada militante será chamado a assumir as suas responsabilidades”, referiu, sem clarificar qual será o seu papel nesse ciclo.

Até agora, outros potenciais candidatos à liderança, como Luís Montenegro ou Jorge Moreira da Silva, mantêm-se em silêncio sobre as eleições autárquicas.

Em entrevista à TVI na segunda-feira, o antigo dirigente do PSD Carlos Carreiras disse acreditar que Rio pode sair da liderança do PSD, revelou que o seu ‘vice’ em Cascais, Miguel Pinto Luz, não avançará na corrida interna do partido e confirmou que existem “pontes” deste com Paulo Rangel.

Se se mantiver um calendário semelhante a 2018 e 2020, as diretas deverão realizar-se em meados de janeiro e o congresso cerca de um mês depois, com um espaço para uma segunda volta, caso haja mais de dois candidatos.

Nas autárquicas de domingo e em relação a 2017, o PSD conquistou 32 novas autarquias, mas também perdeu 16, ficando com um saldo positivo de 16 em relação há quatro anos e vai liderar nove das 18 capitais de distrito (contra cinco do PS) e as duas capitais das Regiões Autónomas.

Em 2017, o PSD teve o seu pior resultado de sempre, que levou à demissão do anterior líder, Pedro Passos Coelho: os sociais-democratas conquistaram 98 presidências (79 sozinhos e 19 em coligação), perdendo oito câmaras em relação a 2013, quando totalizavam 106 concelhos.

Além de mais câmaras e mais eleitos do que nas duas últimas autárquicas, os sociais-democratas tinham também apontado como meta encurtar a distância para o PS, que passou de 63 para 35 com os resultados de domingo.

Lisboa troca Medina por Moedas. As imagens de uma noite supreendente
Lisboa troca Medina por Moedas. As imagens de uma noite supreendente
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+