Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Líder do BE considerou "profundamente infeliz" declaração de Brilhante Dias

23 set, 2021 - 21:23 • Lusa

Para Catarina Martins, a satisfação pelo desconfinamento não pode “fazer esquecer o enorme sofrimento do país, das vítimas de Covid, do que sofreu tanta gente, das vidas que se perderam, das famílias que sofreram, dos profissionais de saúde verdadeiramente exaustos”.

A+ / A-

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, considerou esta quinta-feira “profundamente infeliz” que o secretário de Estado da Internacionalização tenha dito que Portugal ganhou com a pandemia depois do “tremendo sacrifício e sofrimento da população”, recusando pronunciar-se sobre consequências políticas.

No final de uma arruada pela Rua Morais Soares, em Lisboa, Catarina Martins foi questionada sobre as declarações de hoje do secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, que, no salão de vestuário e têxtil Première Visio, em Paris, defendeu que o interesse por Portugal nos mercados internacionais continuou em tempos de Covid-19 e que a forma como país lidou com a pandemia favoreceu mesmo a imagem dos produtos nacionais.

“Eu acho que a frase é profundamente infeliz e acho que não devo dizer mais nada sobre isso”, respondeu, por diversas vezes, a líder do BE.

Para Catarina Martins, apesar da satisfação de ser possível avançar agora no desconfinamento, isso não pode “fazer esquecer o enorme sofrimento do país, das vítimas de covid, do que sofreu tanta gente, das vidas que se perderam, das famílias que sofreram, dos profissionais de saúde verdadeiramente exaustos”.

Apesar da insistência dos jornalistas sobre as eventuais consequências políticas destas declarações, a líder do BE não quis responder.

“Não vou dizer mais do que: É profundamente infeliz alguém que não compreende que, ainda que hoje possamos estar orgulhosos do esforço que a população e o SNS fizeram e que foi extraordinário, não perceba o tremendo sacrifício e sofrimento da população até este momento”, criticou.

No final, interrogada sobre o porquê de não querer dizer mais sobre o tema, Catarina Martins respondeu apenas: “porque estou em campanha autárquica e é campanha autárquica que vou fazer”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+