Tempo
|
A+ / A-

Costa nada fez para evitar despedimentos na refinaria de Matosinhos, acusa BE

22 set, 2021 - 11:28 • João Cunha com redação

Catarina Martins diz que o Primeiro-ministro está a aceitar o argumento mentiroso da Galp – que associa os despedimentos à transição energética – “quando nada do que a empresa se propõe fazer vai baixar as emissões".

A+ / A-

Catarina Martins insiste que António Costa nada fez para evitar despedimentos na refinaria de Matosinhos. A líder do Bloco de Esquerda diz que é mais um caso de mentira da Galp e de inação do chefe de Governo.

António Costa assina, esta quarta-feira, um artigo no jornal Público onde volta a acusar a Galp de irresponsabilidade e apela à ativação do Fundo de Transição justa que vai ajudar os trabalhadores afetados pelo fecho da refinaria.

“O artigo do primeiro-ministro não acrescenta nada ao debate”, começa por dizer Catarina Martins.

Para a bloquista, António Costa tem um problema. “Deixou que acontecessem os despedimentos e não fez nada. Também se recusou a aprovar as medidas do Bloco de Esquerda que impediam quem anda a distribuir lucros de fazer despedimentos”.

Considera que o primeiro-ministro está a aceitar o argumento mentiroso da Galp – que associa os despedimentos à transição energética – “quando nada do que a empresa se propõe fazer vai baixar as emissões. A Galp vai continuar a poluir e tem mais lucros com menos empregados”.

No artigo do Público, o Primeiro-ministro vem esclarecer as polémicas declarações que fez sobre a Galp Energia, em que disse ser necessário dar uma “lição” à empresa dado a forma como lidou com o encerramento da refinaria em Matosinhos. Colocando água na fervura, o líder do PS diz que não irá além da utilização do fundo da União Europeia que ajuda as regiões e os trabalhadores na situação de transição climática.

“A pretendida ‘lição’ não é mais do que a utilização do Fundo de Transição Justa e a aplicação da legislação para proteção dos trabalhadores e do futuro do território“, escreve António Costa no artigo, assinalando que espera que “esta contextualização clarifique que não há contradição com o que disse anteriormente”. No texto, lembra partes do seu discurso na Cimeira Social e na ação de campanha em Matosinhos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • sercosmico sss
    22 set, 2021 Lisboa 10:57
    🕵️ Costa bazuca se quer resolver o problema a sua maneira tem que seguir o mesmo critério que usou com a TAP

Destaques V+