Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Não era Graça Freitas que o PSD queria ouvir no Parlamento

08 set, 2021 - 11:15 • Marta Grosso com redação

A diretora-geral da Saúde foi ouvida na comissão de acompanhamento da Covid-19, onde defendeu o uso da máscara em eventos ao ar livre e nos recreios das escolas.

A+ / A-

A audição foi pedida pelo PSD, mas houve um engano.

“O PSD queria ouvir – e terá havido seguramente aqui algum ruído na comunicação – não a Direção-Geral de Saúde, mas sim o grupo de epidemiologia, nomeadamente das reuniões que eram feitas no Infarmed”, reconheceu esta quarta-feira, no Parlamento, a deputada Sandra Pereira.

“O objetivo da Assembleia da República, isso foi muito falado, foi replicar aqui aquilo que o Governo não quis fazer relativamente ao ‘terminus’ da obrigatoriedade do uso de máscaras”, prosseguiu.

Contudo, quem se apresentou na Comissão Eventual para o Acompanhamento da Aplicação das Medidas de Resposta à Pandemia da Doença Covid-19 e do Processo de Recuperação Económica e Social foi a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Durante a audição de cerca de uma hora, defendeu o uso da máscara situações que proporcionem aglomerados populacionais, como eventos em espaços exteriores e no recreio nas escolas.

Até dia 12, domingo, está em vigor a obrigatoriedade de uso de máscara na rua sempre que não seja possível manter o distanciamento social.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+