Tempo
|
A+ / A-

Catarina Martins diz que autárquicas têm responsabilidades "como nunca tiveram"

22 ago, 2021 - 08:11 • Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda vincou o poder destas eleições em decisões do estado social, do acesso à educação, à saúde, da creche e do apoio na velhice.

A+ / A-

O Bloco de Esquerda (BE) defendeu hoje no Algarve que as autarquias podem fazer a diferença na respostas às questões essenciais do país e é por isso importante pensar bem em quem votar nas próximas eleições autárquicas.

Catarina Martins, falava em Quarteira, Loulé, numa ação de verão do BE e, num discurso assumidamente de pré-campanha eleitoral, alertou que tanto nas decisões do estado social, do acesso à educação, à saúde, da creche e do apoio na velhice, como nas questões climáticas e ambientais, as autarquias têm responsabilidades "como nunca tiveram".

"O que eu vos peço é que pensem em que força política podem confiar para essa mudança", afirmou.

A proposta do BE passa pela construção de um país "verde e igual, concelho a concelho, freguesia a freguesia", que se traduz num país que "não exclui ninguém" e que sabe tratar as "crianças e os mais velhos", respeitar "quem trabalha e constrói o país", notou.

Segundo a coordenadora nacional do BE, isso acontece nas opções de investimento que as autarquias fizerem com a "qualidade das escolas" e dos "centros de saúde" mas também nas opções sobre a "habitação" e "mobilidade".

A deputada fez mesmo a pergunta se se quer "entregar" o dinheiro para a habitação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) aos negócios imobiliários "do costume, os mesmos que nas comissões parlamentares dizem não se lembrar do que fizeram aos milhões de euros dos buracos da banca".

A diferença faz-se com uma "política diferente", realçou, onde as autarquias "têm um parque público de habitação", mas também onde se discute os transportes que deverão ser "gratuitos", mas em horários em que "sirvam as pessoas", sustentou.

Assumindo que na maioria das cidade portuguesas "não há oferta de transportes coletivos", defendeu que é necessário que seja construída, mas "não" construindo uma linha de comboio para ligar à cidade maior mais próxima.

Para Catarina Martins, essa rede deve servir para que as pessoas "possam de ir de casa para o trabalho, para a escola, para o centro de saúde, para o teatro, para a praia, para onde quiserem".

"Para que o transporte coletivo seja verdadeiramente uma forma de transporte neste país", conclui.

O Bloco de Esquerda realiza até segunda feira comícios e ações em várias localidades algarvias e para domingo está agendada, às 18:00, uma ação dedicada ao ambiente e à Ria Formosa como uma visita à zona ribeirinha de Olhão (junto ao Cais de Embarque), sobre a problemática das descargas dos esgotos a céu aberto.

Segunda-feira tem lugar o último comício no Algarve no Largo do Casino, Avenida Infante D. Henrique Algarve em Monte Gordo às 21:30.

Nas visitas no Algarve a coordenadora nacional do BE é acompanhada por candidatos locais bloquistas, concorrentes às eleições autárquicas de 26 de setembro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+