Tempo
|
Autárquicas 2021
36,87%
126Câmaras
15,95%
65Câmaras
11,52%
23Câmaras
7,73%
17Câmaras
5,06%
15Câmaras
3,88%
0Câmaras
2,2%
0Câmaras
1,84%
5Câmaras
0,77%
0Câmaras
10,11%
9Câmaras
  • Freguesias apuradas: 2902 de 3092
  • Abstenção: 44,26%
  • Votos Nulos: 1,62%
  • Votos em Branco: 2,48%

A+ / A-

Chega

André Ventura acredita que é possível tirar metade do eleitorado ao PSD

27 jul, 2021 - 23:40 • Lusa

André Ventura atribuiu a evolução do partido “ao crescimento da base de militância” e considerou que as candidaturas por todo o país e “são reflexo disso”.

A+ / A-

O presidente do Chega, André Ventura, disse esta terça-feira que acredita que é possível o partido tirar metade do eleitorado ao PSD nas eleições autárquicas de setembro, em que ambiciona tornar-se na terceira força política nacional.

O líder do Chega falava, em Bragança, à margem da apresentação de candidatos a cinco das 12 câmaras deste distrito, depois de, anteriormente, ter dito que pretendia apresentar candidatos em todos os municípios.

André Ventura reconheceu que o partido não está ao nível que queria, mas que acredita que “é possível ir buscar metade do eleitorado ao PSD” nesta região e no país, onde reiterou que o Chega está “numa luta com o PSD de divisão de eleitorado”.

“O CDS já ficou lá para trás, neste momento todas as sondagens nos dão na luta com o PSD”, vincou.

Ventura salientou que “o Chega já ultrapassou as 260/270 candidaturas a nível nacional” e que “isto nenhum partido fez com a dimensão do Chega”.

“Basta compararmos que há quatro anos, na mesma situação que nós, estava o PAN [que] concorreu a 30 ou 40 câmaras”, apontou.

“Penso que estamos em condições de dizer que seremos dos maiores partidos a concorrer às eleições, talvez o terceiro, talvez o quarto”, acrescentou.

Para o presidente do Chega, “as presidenciais foram um sinal disso, agora é o momento de fidelizar esse eleitorado” nas eleições autárquicas marcadas para 26 de setembro.

“No número de votos nacionais globais queremos ser a terceira maior força para então nas próximas (autárquicas) passarmos da implantação à conquista de câmaras municipais e do verdadeiro Poder Local”, afirmou.

André Ventura atribuiu a evolução do partido “ao crescimento da base de militância” e considerou que as candidaturas por todo o país e, no caso concreto, no distrito de Bragança, “são reflexo disso”.

O distrito de Bragança vota tradicionalmente no PSD, “um terreno difícil”, mas no qual Ventura acredita que “o Chega vai fazer o que está a fazer no resto do país, que é roubar eleitorado ao PSD e assumir-se como principal partido da oposição”.

“Talvez este ano, nestas autárquicas, ainda não o consigamos, mas o objetivo é ser o principal partido da oposição, por isso terrenos, palcos como Bragança, mas também outros como Vila Real, Guarda, Viseu, são muito importantes para nós”, declarou.

André Ventura considerou que “os dois principais partidos, PS e PSD, têm abandonado o interior porque é no litoral que estão os votos” e prometeu que “o Chega será nas autarquias e nas legislativas a voz do interior, dos que o veem o Estado cada vez mais longe, daqueles a quem o Estado virou as costas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+