Tempo
|
A+ / A-

Convenção Bloco de Esquerda

Joana Mortágua diz que geringonça "não é fama" para esconder "negócios do costume"

22 mai, 2021 - 19:22 • Lusa

Na opinião da bloquista, 22 anos depois as "elites deste país" ainda não compreendem o BE e o que é que tem que "baralha tanto os donos disto tudo".

A+ / A-

A deputada do Bloco de Esquerda (BE) Joana Mortágua afirmou este sábado que a geringonça "não é uma fama" atrás da qual o PS se possa esconder, enquanto "continua com os negócios do costume". .

"A geringonça não é uma fama atrás da qual o PS se possa esconder enquanto continua com os negócios do costume, nem um espírito que ilumina e torna aceitáveis orçamentos que não o são porque não servem o país", declarou a deputada e dirigente do BE, na XII Convenção do partido, em Matosinhos. .

A bloquista considerou que o BE tem um projeto que "devolve o controlo democrático" sobre bens estratégicos, que põe a banca "na ordem" e que assume o investimento público e "protege o emprego" e advertiu que se engana quem apostou que o Bloco trocaria política por lugares no Governo. .

O BE é o "projeto socialista que faz o curto-circuito" na ligação entre desigualdades, privilégios e crescimento de extrema-direita, ressalvou. .

"Sim, há uma ligação entre desigualdades, privilégios e crescimento de extrema-direita e, está aqui o projeto socialista, que faz o curto-circuito nessa ligação", frisou Joana Mortágua.

Na opinião da bloquista, 22 anos depois as "elites deste país" ainda não compreendem o BE e o que é que tem que "baralha tanto os donos disto tudo".

"(...) quando em 2015 a Catarina (Martins) desafiou o António Costa ficaram à toa, quando negociamos a geringonça ficaram desorientados, quando mantivemos a palavra não perceberam, quando o PS insistiu num orçamento que não respondia à aflição do país e votamos contra, não estavam à espera", reforçou.

Não é imprevisibilidade, mas sim autonomia, alertou a deputada, acrescentando que o "que eles não sabem e não aceitam" é a autonomia do projeto socialista do BE, recusando "chantagens" ou tentativas de "condicionamento". .

Na sua intervenção na Convenção bloquista, o deputado José Soeiro acusou o PS de ter "um tabu sobre o trabalho".

"o PS proclama querer construir soluções à esquerda mas não aceita tocar no legado da "troika" no Código do Trabalho, não aceita mexer em nada de estrutural das relações de força entre os trabalhadores e o patronato", criticou.

E considerou também que "nos novos temas, nas novas vias de exploração e de precarização, há uma clivagem na qual o PS só parece disponível para convergir com a direita".

"O Bloco apresenta-se a esta convenção no mesmo lugar, não desistimos de nada, travamos todas as batalhas, fazemos todos os diálogos e temos um compromisso fiel e uma bússola: a nossa gente, quem vive do seu trabalho, são eles e elas o critério permanente de todos os nosso votos no parlamento, mas mais do que isso, são eles e elas a nossa razão de ser", sublinhou o deputado.

Na sua intervenção, José Soeiro aproveitou ainda para criticar os donos da explorações agrícolas em Odemira, que "fingem que [a situação dos migrantes] não é nada com eles" e "continuam impunemente a não serem responsabilizados pela violação grosseira dos direitos laborais e dos direitos humanos daqueles trabalhadores".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+