Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Marta Temido: "Não é aceitável utilizar a morte como argumento político"

28 jan, 2021 - 15:46 • Redação

No debate sobre o decreto presidencial de renovação do estado de emergência, a ministra da Saúde garantiu que o Governo "não desertou" e "continua a lutar" ao lado dos portugueses para travar a pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


A ministra da Saúde, Marta Temido, respondeu esta quinta-feira à oposição parlamentar que "não é aceitável utilizar a morte como argumento político".

No debate sobre o decreto presidencial de renovação do estado de emergência, Marta Temido garantiu que o Governo "não desertou" e "continua a lutar" ao lado dos portugueses para travar a pandemia de Covid-19.

“Continuamos a lutar. Ontem atingimos 7 milhões de testes realizados, continuamos a lutar com a administração de vacinas, no Serviço Nacional de Saúde em colaboração com todos os restantes parceiros, com a tranquilidade de quem tem de responder todos os dias aos portugueses e com o peso e solenidade quem em momento nenhum pode ser afastado, de que não é de todo aceitável que utilizemos a morte e a doença como argumento político”, declarou a ministra da Saúde.

Marta Temido revelou na sua intervenção que a nova variante britânica do vírus da Covid-19 já tem uma prevalência de 50% na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), que nos últimos dias tem registado os piores indicadores em número de mortes e novos casos.

Desde o início da pandemia estão confirmados 11.305 mortes e quase 669 mil infeções de Covid-19 em Portugal, indica o boletim de quarta-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    28 jan, 2021 Lisboa 17:19
    Você não quer é que lhe apontem as falhas clamorosas do seu ministério, e da sua gestão da pandemia. Então segue a tática habitual que é fazer-se de vitima. Olhe, vitimas, são os que morreram, ou os que passam 10 horas numa fila de ambulâncias só para serem vistos nos hospitais. Você, é apenas e só mais uma incompetente que quando devia ter feito planeamento para esta situação para a qual foi alertada inúmeras vezes, andou a assobiar para o lado. Mas de vítima nada tem.
  • Americo Anastacio
    28 jan, 2021 Leiria 16:42
    Triste............Com esta sra ministra, não precisamos de eutanásia..............IRRESPONSÀVEL..............

Destaques V+