Tempo
|
A+ / A-

Eça de Queiroz poderá ir para o Panteão. Assim deseja o PS

15 dez, 2020 - 13:01 • Marta Grosso

“Escritor maior, não só contribuiu como poucos para a expansão da cultura portuguesa, como o fez sob a égide de um forte carácter humanista”, lê-se no diploma que deu entrada no Parlamento. Este ano, assinalam-se 175 anos do nascimento de Eça e 120 anos da sua morte.

A+ / A-

Deu entrada na Assembleia da República, nesta terça-feira, um projeto de resolução para a concessão de honras de Panteão Nacional a José Maria Eça de Queiroz.

O diploma é assinado por quatro deputados socialistas: José Luís Carneiro, Ana Catarina Mendes, Pedro Delgado Alves e Rosário Gamboa.

“À semelhança de Luís Vaz de Camões e Fernando Pessoa, já homenageados no Mosteiro dos Jerónimos, Eça de Queiroz marcou indelevelmente a Língua Portuguesa”, sustentam os signatários.

“Escritor maior, não só contribuiu como poucos para a expansão da cultura portuguesa, como o fez sob a égide de um forte carácter humanista, justificando de forma amplamente consensual a propositura da concessão de honras de Panteão Nacional, no ano em que se assinalam os 175 anos do seu nascimento e os 120 anos da sua morte”, prosseguem.

Os deputados socialistas propõem ainda a criação de “um grupo de trabalho composto por representantes de cada grupo parlamentar, com a incumbência de determinar a data e de definir e orientar o programa de trasladação, em articulação com as demais entidades públicas envolvidas, bem como um representante da Fundação Eça de Queiroz”.

Eça de Queiroz nasceu em 25 de novembro de 1845, na Póvoa de Varzim, e morreu em 1900, em Paris. Encontra-se sepultado no jazigo de família, em Santa Cruz do Douro, Baião (até setembro de 1989, os seus restos mortais estiveram do Cemitério do Alto de São João, em Lisboa).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+