A+ / A-

Presidenciais

André Ventura admite até vir a dar posse a Governo com PCP

15 dez, 2020 - 22:33 • Lusa

Para o deputado único do Chega, “o Presidente da República não pode ser o ‘corta-fitas’ da República que tem sido, muito por culpa de Marcelo Rebelo de Sousa, mas também de Cavaco Silva e de Mário Soares”.

A+ / A-

O pré-candidato presidencial do Chega, André Ventura, admitiu esta terça-feira, em entrevista à RTP, vir a dar posse a um Governo que até integre elementos do PCP, caso venha a ser eleito para Belém.

“Respeitarei a vontade dos portugueses como democrata e, ao mesmo tempo, não deixarei de chamar a atenção - o que Marcelo Rebelo de Sousa não fez - para casos como [o do Bairro] Jamaica, o esbulho fiscal, [a situação dos], professores, enfermeiros. Daria posse ao Governo que fosse escolhido pelos portugueses”, afirmou, confrontado com a possibilidade de participação comunista num executivo hipotético.

O presidente da nova força política populista criticou “todos os candidatos à esquerda” que têm afirmado – "ou não respondem – que não dariam posse a um Governo com o Chega”.

“Acho isto de uma falta de sentido democrático... O Chega é um partido legítimo, legalizado. Não percebo como é que há candidatos que dizem que não vão respeitar a vontade do povo português, se o Chega tiver 8%, 10%, 12% ou 15% [dos votos], como apontam algumas sondagens”, lamentou.

Para o deputado único do Chega, “o Presidente da República não pode ser o ‘corta-fitas’ da República que tem sido, muito por culpa de Marcelo Rebelo de Sousa, mas também de Cavaco Silva e de Mário Soares”.

“Não aceito um Presidente, como aconteceu no Bairro Jamaica, que vai visitar os bandidos e deixa os polícias sozinhos”, afirmou.

André Ventura foi também confrontado com uma sondagem recente que o coloca na terceira posição da corrida presidencial, atrás do atual chefe de Estado e recandidato e da diplomata e ex-eurodeputada do PS Ana Gomes, algo que o próprio já assumira implicar a demissão de líder partidário, mas que agora remeteu para o seu partido uma futura decisão.

“Já fiz mais do que todos os outros líderes. Alguns [militantes do Chega] estão suspensos, outros foram expulsos, sobre outros correm processos no Conselho de Jurisdição. Curioso é que nunca vi o BE fazer isto com os membros deles que estiveram das FP25 [organização terrorista de extrema-esquerda da década de 1980], no [PCTP/]MRPP ou em partidos maoístas. É a isso que eu acho graça”, disse, assumindo uma “limpeza” interna de elementos de extrema-direita, racistas, xenófobos ou fascistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    11 jan, 2021 Lisboa 16:37
    Não tem que admitir nada porque não vai ser presidente.
  • José J C Cruz Pinto
    16 dez, 2020 Ílhavo 07:19
    Manifestamente, não se enxerga ... e julga-nos a todos idiotas, ou de olhos vendados. [Então, e quando é que processa o Primeiro-Ministro, como prometeu que iria (ou já estava a) fazer - ou a nós todos que nos rimos à gargalhada desde esse dia, 12/11/2020, em que fez o aviso ou a solene promessa?]

Destaques V+